header top bar

section content

Médico de Cajazeiras teme pelo fim do Mais Médicos se houver impeachment de Dilma

Henrique Gonçalves coordena a Residência Médica do curso de Medicina da UFCG de Cajazeiras e também é conhecido pelo seu engajamento social

Por Jocivan Pinheiro

19/04/2016 às 14h39 • atualizado em 19/04/2016 às 18h02

A Câmara de Vereadores de Cajazeiras discute nesta terça-feira (19), em sessão especial, a importância do programa federal Mais Médicos para o Brasil e, principalmente, para o Alto Sertão paraibano. Convidado para fazer parte do debate, o médico e professor Henrique Gonçalves, que é coordenador da Residência Médica do curso de Medicina no campi da UFCG em Cajazeiras, conversou com a TV Diário do Sertão e antecipou sua opinião sobre o polêmico programa.

Henrique Gonçalves é coordenador da Residência Médica do curso de Medicina da UFCG de Cajazeiras

Henrique é também conhecido pelo seu engajamento social em Cajazeiras. Estando envolvido diretamente com grupos sociais organizados e com as minorias mais oprimidas, ele conta que tem percebido as mudanças, ainda que sutis, provocadas pelo Mais Médicos, sobretudo nas periferias e comunidades rurais. Não a toa que defende a permanência do programa e teme que o Mais Médicos e outras políticas públicas implantadas nos governos Lula e Dilma sejam extintos se as bancadas de Direita da Câmara e do Senado assumirem o poder com o impeachment da presidente.

– Não é especulação. Isso se baseia, inclusive, no que a Fundação Ulysses Guimarães, que é vinculada ao PMDB, escreveu no segundo semestre de 2015: esse plano Uma Ponte Para o Futuro, conhecido também como “Plano Temer”, em que lá está colocada com todas as letras, entre outras coisas, a desvinculação de receitas obrigatórias que são constitucionalmente destinadas a políticas públicas – alerta o professor.

Implantado há três anos, o programa Mais Médicos sofreu forte oposição de parte da comunidade médica do país, que alega estar sendo desvalorizada pelo governo e perdendo vaga de trabalho para os profissionais estrangeiros. No entanto, o professor Henrique desconstrói essa justificativa afirmando que antes do Mais Médicos, muitos profissionais de medicina no Brasil acumulavam postos de trabalho e sequer davam conta de todos eles.

– Desconheço qualquer médico que tenha ficado desempregado nesses últimos três anos por conta do programa Mais Médicos. Em regiões como a nossa, pelo contrário, o habitual era que colegas médicos tivessem cinco, seis, sete vínculos sem cumprir carga-horária, decorrentes da escassez de médicos. É uma argumentação que não encontra respaldo na realidade.

Henrique ressalta a importância de o Poder Legislativo cajazeirense levantar essa questão e dialogar com a sociedade civil organizada e com o povo.

– Essa sessão especial é relevante considerando o contexto que nós vivemos, em que a crise política ensejada em torno do impeachment absolutamente questionável da presidente, enseja também riscos à manutenção do programa. É importante que uma sessão como essa ocorra até para nós firmarmos nossa posição em defesa da manutenção do mesmo, independente de qual seja o desfecho dessa crise política que nós estamos vivenciando hoje no Brasil.

DIÁRIO DO SERTÃO

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan