header top bar

section content

Empresário sousense fala pela primeira vez após ser absolvido por júri popular; mais de 10 advogados atuaram no caso: ‘Não sou bandido’

Em um vídeo enviado à reportagem do Diário do Sertão, Erivaldo falou sobre as acusações falsas que sofreu. Confira o vídeo aqui

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

13/02/2017 às 13h57 • atualizado em 13/02/2017 às 18h42

O empresário Erivaldo de Oliveira Pordeus, mais conhecido como “Lourinho”, que é natural da cidade de Sousa, sertão da Paraíba, falou nesta segunda-feira (13) pela primeira vez após ter sido absolvido pela justiça durante julgamento que durou cerca de 72 horas e só encerrou na quinta-feira (09) no município de Caucaia no estado do Ceará.

O crime
Erivaldo passou mais de três anos preso após ter sido acusado de comandar o assassinato do ex-sócio Francisco Fábio de Vasconcelos, que tinha 49 anos. O crime ocorreu no dia 20 de julho de 2012 na fábrica de Salgados “Salgadinhos Bizu”, em Fortaleza/CE, dos sócios Erivaldo e Francisco Fábio. Quatro pessoas foram presas após o crime.

Veja também:
INOCENTE! Empresário sousense que ficou três anos preso é inocentado pela justiça do Ceará

Mãe de empresário sousense acusado de mandar matar sócio diz que filho é inocente

Em um vídeo enviado à reportagem do Diário do Sertão, Erivaldo falou sobre as acusações falsas que sofreu e afirmou que contratou cerca de 10 advogados, porém, nunca obteve êxito e permanecia preso.

“Bandido não, estou honrando o meu sertão da Paraíba”, destacou.

Erivaldo agradeceu a sua bancada de advogados: Ércio Quaresma, Talvane Moura, Daniel Pessoa, Claudineia e Amanda Pessoa.

DIÁRIO DO SERTÃO

DIÁRIO ESPORTIVO

Diário Esportivo recebe os membros da Associação dos ciclistas de Cajazeiras e região; Confira!

ADVERSÁRIOS ETERNOS

Breckenfeld diz que nunca será candidato a prefeito de São João nem aliado de Zé Aldemir: “Chance zero”

PSICOLOGIA & FILOSOFIA

Cajazeirense que vendia poesia pra pagar curso em SP fala sobre sonhos e objetivos no “Psicologia no Ar”

CÓDIGO COMPROVA

No 1º Xeque-Mate de 2018, tecnólogo diz que é fácil fraudar eleições com urna eletrônica e explica como