header top bar

section content

Agricultor é morto com sete tiros na cabeça quando voltava do trabalho na Paraíba

Caso aconteceu na manhã desta terça (5). Vítima voltava do trabalho para casa em uma moto quando foi surpreendida por uma dupla, que atirou diversas vezes.

Por G1PB

06/03/2019 às 10h27

Agricultor foi morto com sete tiros na cabeça, em Lagoa Seca (Foto: Reprodução/TV Paraíba)

Um agricultor foi morto a tiros na manhã desta terça-feira (5) em Lagoa Seca, no Agreste da Paraíba. De acordo com a delegada da Polícia Civil, Nercília Dantas, a vítima foi atingida por sete tiros na cabeça quando voltava do trabalho para casa em uma motocicleta.

O caso aconteceu por volta das 11h30, no sítio Retiro, zona rural do município. Segundo a polícia, Wagner Gonçalves Fernandes, de 25 anos, foi surpreendido por dois homens em outra moto, que atiraram diversas vezes.

O agricultor não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local. Após o crime, os suspeitos fugiram levando a moto da vítima.

De acordo com Nercília, a suspeita é de que o caso tenha sido execução e não latrocínio. Em depoimento à polícia, a mãe de Wagner relatou que acredita que o filho foi vítima de uma emboscada, mas não sabe o motivo do crime.

Ainda segundo a delegada, a vítima respondia a três processos na Justiça por porte ilegal de arma, formação de quadrilha e receptação. Até as 17h30 desta terça-feira (5), nenhum suspeito do crime havia sido identificado.

Fonte: G1PB - https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2019/03/05/agricultor-e-morto-com-sete-tiros-na-cabeca-em-lagoa-seca-agreste-da-pb-diz-policia.ghtml

Recomendado para você pelo google

RELAÇÃO COM EMPRESÁRIOS

VÍDEO: Prefeito de Cajazeiras não descarta fazer uma reforma tributária e manda recado para ‘algozes’

SERVIÇO MILITAR

VÍDEO: Quase 100 novos atiradores são incorporados ao Tiro de Guerra de Cajazeiras durante solenidade

TRIMESTRE CHUVOSO

VÍDEO: Açude Grande de Cajazeiras sangra pela primeira vez em 2019 e traz esperança para a população

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras