header top bar

string(13) "diario-sertao"

section content

Operação Andaime: Ministério Público Federal denuncia empresário de Cajazeiras por coação a testemunhas

Segundo o Ministério Público, o empresário não só quebrou as condições cautelares, como retornou, quase imediatamente, às suas atividades criminosas.

Por

18/12/2015 às 16h00

MPF investiga ex-prefeita (Imagem Ilustrativa - Foto: Reprodução)

O Ministério Público Federal, em Sousa apresentou denúncia contra o empresário cajazeirense Mário Messias Filho por agir para impedir e embaraçar a investigação em curso sobre organização criminosa da Operação Andaime. O crime está previsto no artigo 2º, § 1º, da Lei n. 12.850/2013.

Por quatro vezes, durante o mês de setembro de 2015, Mário Messias, conhecido por “Marinho”, constrangeu o réu colaborador Francisco Justino do Nascimento e sua família, com o objetivo de impedir o prosseguimento das investigações ainda em curso. A denúncia foi apresentada nessa quinta-feira (16), após a deflagração da 2ª fase da Operação Andaime.

Durante a deflagração da 1ª fase da Operação Andaime, em 26 de junho de 2015, “Marinho” foi preso temporariamente. Teve a prisão preventiva decretada e ficou 18 dias encarcerado, sendo colocado em liberdade em 13 de julho de 2015, sob medidas cautelares pessoais de restrições. No entanto, “Marinho” não só quebrou as condições cautelares, como retornou, quase imediatamente, às suas atividades criminosas.

Leia mais

?Procurador revela que empresários presos na 1ª fase da Andaime repetiram práticas depois de soltos e intimidaram testemunhas; Empresa fictícia em CZ ganhou quase 200 licitações

Ministério Público Federal divulga nomes dos presos na segunda fase da Operação Andaime em Cajazeiras

Entenda o caso
A quadrilha, desbaratada em 26 de junho de 2015, durante a 1ª fase ostensiva da Operação Andaime, vinha atuando, há mais de cinco anos, em municípios do Alto Sertão paraibano, através de irregularidades em licitações e contratos públicos, em especial a montagem de procedimentos licitatórios e a venda de notas fiscais. Até o presente momento, as investigações indicam que a organização criminosa vinha atuando, pelo menos, desde 2009, desviando recursos federais através de irregularidades em licitações e contratos públicos, em especial a montagem de procedimentos licitatórios e a venda de notas fiscais. Os crimes também incluem lavagem de dinheiro através de empresa fantasma.

DIÁRIO DO SERTÃO com MPF

Tags:
PLANOS E METAS

VÍDEO: Cantor explica como pretende administrar o Atlético e declara que o problema do clube é político

CAMPEONATO PARAIBANO 2019

VÍDEO: Após vistoria técnica, representantes da CBF elogiam o estádio Perpetão: “É um dos melhores”

A ARTE DO CORPO

VÍDEO: Bailarino que dá aula de dança em Cajazeiras fala da sua trajetória e de projetos para a cidade

MÚSICA AO VIVO

VÍDEO: Sucesso no Nordeste, cantor interpreta grandes bandas nacionais e internacionais no Xeque-Mate