header top bar

section content

Dilma chama decisão do Senado de “injustiça histórica”; ‘Nunca cometi crimes’

A notificação sobre o afastamento de Dilma Rousseff é entregue pelo senador Vicentino Alves na manhã desta quinta-feira (12)

Por Luzia de Sousa

12/05/2016 às 12h29

Presidente Dilma tachou de Golpe o impedimento

A página oficial de Dilma Rousseff no Facebook se manifestou depois da aprovação do afastamento da presidente para julgamento do processo de impeachment, na manhã desta quinta-feira (12). No post, é dito que o senadores não conseguiram apontar o crime cometido por Dilma, chamando o ato de “golpe” e “injustiça histórica”. Leia abaixo a íntegra do texto.

“É GOLPE

Sem conseguir apontar o crime cometido, o Senado Federal decidiu afastar a presidenta Dilma e prosseguir com o impeachment. O ministro José Eduardo Cardozo, da AGU Advocacia-Geral da União, destacou que se está cometendo uma injustiça histórica, em que procedimentos, como o direito de defesa, são usados para oferecer legitimidade a um processo que rasga a Constituição”.

O Senado aprovou por 55 votos a 22 a abertura do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. A votação foi definida às 6h desta quinta-feira (12).

A decisão fará com que Dilma seja afastada da presidência pelo prazo máximo de 180 dias. Na manhã desta quinta (12), a presidente recebeu a notificação do afastamento. O senador Vicentino Alves é o responsável por entregar pessoalmente o documento do processo aceite pelo Senado.

Após ser intimada a deixar a presidência da República, Dilma fez um pronunciamento no Palácio do Planalto. Os ministros de Dilma Rousseff foram exonerados nesta quinta e acompanham o discurso da petista.

Durante o pronunciamento, Dilma anunciou que foi aberto pelo Senado Federal e determinada a suspensão do seu mandato.

“Eu fui eleita presidente por 54 milhões de cidadãos brasileiros”, frizou Dilma.

Segundo a presidente, o que está em jogo no processo de impeachment é também o respeito às urnas, à Constituição e à democracia do país.

Dilma recordou que o processo de impeachment se refere ao futuro do país, aos programas sociais e as conquistas do governo do PT, e não apenas a sua pessoa.

A petista disse durante o seu discurso que denuncia o golpe. Dilma ressaltou ainda que a oposição tenta desde as eleições acabar com o seu mandato.

Dilma ressaltou que é honesta e inocente e denunciou que o “golpe” é uma injustiça irreparável. A presidente ainda reforçou que nunca aceitou chantagens e que, embora tenha cometidos erros, nunca cometeu crimes.

Durante o pronunciamento, Dilma Rousseff também afirmou que o golpe não visa apenas destituí-la, mas sim impedir a execução do programa que foi escolhido pela população brasileira nas eleições presidenciais.

“O golpe acaba com a democracia e com as conquistas que a população alcançou”, completou Dilma.

A petista frizou que já sofreu a dor da tortura, a dor da doença e agora sofre a dor da injustiça. Além disso, a presidente afastada declarou ainda que se orgulha de ser a primeira mulher presidente eleite do Brasil e disse que honrou os votos que recebeu. Dilma afirmou que irá lutar com todos os meios legais para que consiga exercer o seu mandato até 2018.

“A luta pela democracia não tem data para terminar”, declarou a presidente. “A democracia é o lado certo da história. Jamais vou desistir de lutar”, finalizou.

Após as declarações, Dilma deixou o Palácio do Planalto, rodeada pela imprensa, saindo pela porta do andar térreo e passando pelos manifestantes. Dilma decidiu sair por baixo da rampa do Planalto.

Manifestantes pró-Dilma que estão no Palácio gritam “Dilma guerreira do povo brasileiro” e “Fora Temer”. Cercada pelos seus aliados, Dilma passou próximo aos manifestantes e recebeu o apoio de quem é contra o impeachment.

Lula está ao lado de Dilma caminhando próximo à multidão que se encontra no Palácio do Planalto.

Próxima aos manifestantes, Dilma também discursou. A presidente afastada explicou que chama o processo de “golpe” porque o impeachment sem crime de responsabilidade é um golpe. Segundo Dilma, o processo é uma “grande injustiça” daqueles que não conseguiram chegar ao governo pelo voto direto do povo. “Aqueles que perderam as eleições tentam pela força chegar ao poder”, ressaltou.

A presidente ainda argumentou que os atos dos quais é acusada são atos que todos os presidentes cometeram nas suas gestões e que não se configuram crime de responsabilidade fiscal.

Dilma acusou Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de ter agido por vingança ao aceitar o processo de impeachment. Ela ainda disse que não aceitou as chantagens do peemedebista e, por isso, Cunha agiu por vingança para retirá-la do poder.

No discurso ao lado de fora do Planalto, Dilma voltou a dizer que sofre a “dor da injustiça” e a “dor da traição”. “São – talvez – as mais terríveis palavras que recaem sobre uma pessoa”, considerou Dilma.

“Eu estou pronta para resistir por todos os meios legais. Quero dizer a vocês que eu lutei a minha vida inteira e vou continuar lutando. Acredito que nós todos temos de estar juntos. E agradeço a todos os movimentos e a todas as pessoas que foram para as ruas nos últimos dias dizer não ao golpe”.

“Nós somos aqueles que sabem lutar, que sabem resistir e que não desistem nunca”, afirmou a presidente, destacando que hoje é um dia “muito triste”.

Notícias ao Minuto

Tags:
EM 2020

VÍDEO: Deputado federal sugere que Chico Mendes pode ser candidato a prefeito de Cajazeiras pelo PTB

UNA FREVO 2019

VÍDEO: Com 16 atrações, destaques nacionais e percurso do frevo, carnaval da cidade de Uiraúna é lançado

OS CIRENEUS DO CAMINHO

VÍDEO: Programa Mensagem de Esperança reflete sobre imunização espiritual e como lidar com adversários

'MENSAGEM DE FÉ'

VÍDEO: Padre apresenta programa especial na TV sobre a tradicional Festa de Dom Bosco em Cajazeiras