header top bar

section content

Mulher morre ferida com taça durante comemoração após jogo do Brasil

Segundo o boletim de ocorrência, a vítima se desequilibrou ao levantar da cadeira, caiu e estilhaços causaram ferimentos no pescoço dela. Caso foi registrado como morte suspeita.

Por G1

28/06/2018 às 12h52

Vítima não resistiu aos ferimentos (Foto: Reprodução/Facebook)

ma mulher, de 30 anos, morreu ao sofrer uma queda e cortar o pescoço com estilhaços de uma taça de vidro, na tarde de quarta-feira (27), no bairro Recanto do Parque, em Itatiba (SP).

De acordo com o boletim de ocorrência, testemunhas contaram que a vítima comemorava a vitória do Brasil sobre a Sérvia pela Copa do Mundo com outras pessoas quando se desequilibrou ao levantar de uma cadeira e sofreu o grave ferimento.

Amigos da vítima tentaram conter o sangramento enquanto acionaram o resgate. No entanto, ela não resistiu e morreu no local.

“Ela estava com a taça na mão e mais um celular na outra. Em seguida, ela escorregou, foi se apoiar na mesa e a taça atingiu no pescoço. A investigação continua, mas tudo indica que realmente foi acidente”, explica o delegado Luciano Carneiro de Paiva, que registrou a ocorrência.

Peritos estiveram no imóvel e o corpo de Tamara Maiochi foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Jundiaí. De acordo com um conhecido, ela era de Conchal (SP) e morava sozinha em Itatiba.

O caso foi registrado na delegacia da cidade como morte suspeita.

Fonte: https://g1.globo.com/sp/sorocaba-jundiai/noticia/mulher-morre-ferida-com-taca-durante-comemoracao-apos-jogo-do-brasil.ghtml

BLACK FIADO

VÍDEO: Conheça a versão mais popular da Black Friday que agita o comércio de Cajazeiras durante 30 dias

DESTAQUES DA SEMANA

VÍDEO: Repercussão da entrevista de José Aldemir encabeça as polêmicas do Direto ao Ponto desta terça

PROGRAMA DE MÚSICA

VÍDEO: Confira as novidades que vêm aí na nova temporada do Acústico Diário com cantor cajazeirense

VÍDEO

Secretário responde a sindicato e diz que acusações contra prefeito de Cajazeiras podem parar na Justiça