header top bar

section content

Se quisesse matar não usaria faca, diz Wyllys sobre atentado contra Bolsonaro

Ex-deputado declara tenta ligar o presidente a milícias dizendo que se alguém pode encomendar mortes, esse alguém seria Bolsonaro

Por Gospel Prime

26/03/2019 às 07h22

Jean Wyllys. (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

O ex-deputado Jean Wyllys, autoexilado na Alemanha, diz que “jamais poderia ser mandante” do crime contra o agora presidente Jair Bolsonaro que em setembro de 2018 foi atacado por um ex-filiado ao PSOL.

Em sua resposta à revista Época, Wyllys diz que não é assassino e alfineta o presidente dizendo que ele está ligado à milícia. “Eu jamais poderia ser mandante de um crime, pois não sou assassino, criminoso, nem ligado à milícia. Quem é ligado à milícia é o presidente da República, não eu. Se alguém poderia encomendar uma morte era ele, não eu”, disse.

Wyllys também questiona o uso de uma faca, dizendo que quem quisesse mesmo matar Bolsonaro usaria uma arma de fogo.

“Se alguém quisesse de fato atentar contra a vida dele, usaria uma arma de fogo, um fuzil a longa distância e não uma faca de pão no meio de uma multidão”.

A faca utilizada por Adelio Bispo perfurou o intestino do presidente e o fez perder muito sangue. Foram necessárias três cirurgias para corrigir o trato intestinal, a última delas aconteceu em janeiro para a retirada da bolsa de colostomia.

Fonte: Gospel Prime - https://www.gospelprime.com.br/se-quisesse-matar-nao-usaria-faca-diz-wyllys-sobre-atentado-contra-bolsonaro/

Recomendado para você pelo google

SAÚDE

VÍDEO: Xeque Mate fala sobre a obesidade e médica endocrinologista tira dúvidas sobre a doença; Veja!

SEMANA SANTA PARA OS EVANGÉLICOS

VÍDEO: Pastor fala sobre significado da Páscoa para os protestantes: “É o sacrifício e a libertação”

ASSISTA E SE DIVIRTA!

É TIRO: Nova pegadinha de humorista Sousense causa pânico na população e muita correria. Veja!

VIRALIZOU NA WEB

Vídeo de jovem que se feriu ao pular de sangria de barragem no Sertão vai parar em página de humor