header top bar

section content

Após ser preso, homem canta e dança na delegacia e diz que prisão foi engraçada

Acusado estava com maconha, mas disse que é apenas usuário

Por

17/08/2015 às 08h50

Rasta trabalha vendendo frutas e mora em um barraco dado pela mãe (Foto: Reprodução/Record Bahia)

Um homem foi preso com maconha na capital baiana. Antônio Carlos dos Santos, 54 anos, mais conhecido como rasta, afirmou que é usuário e não traficante. Ele disse que é usuário e fuma a maconha para distrair a mente e não faz mal a ninguém.

Na delegacia, rasta cantou, dançou e, ainda, "tirou onda" com os policiais afirmando que sua prisão foi "engraçada". Ele contou que estava nas proximidades da Fonte Nova, quando o policial mandou ele esperar que queria conversar. Antônio contou que pegou a bicicleta e saiu correndo e o policial tentando segui-lo com a viatura.

— Tudo engarrafado e eu "venha" (risos). Ele ficou chateado, ele querendo vir e tudo engarrafado e eu: "venha".

Antônio lembrou que, em outra ocasião, ele andava de bicicleta pela avenida Bonocô quando o policial mandou encostar. Rasta contou que saiu correndo e o agente não conseguiu acompanhá-lo.

— Eu sabia que não ia acontecer isso (ser preso), pois (o policial) estava chateado. Eu sabia que ele ia ficar cheio de ódio.

Rasta trabalha vendendo frutas e mora em um barraco dado pela mãe. Ele tem seis filhos, três ainda pequenos e disse que fica triste por ser preso, pois os filhos vão saber que ele voltou para a cadeia. 

O homem afirmou que é cantor e compositor e afirmou que tem o dom, só precisa de ajuda e oportunidade.

R7

Tags:
NA TELA DA TV DIÁRIO

Diário Esportivo traz tudo sobre a 2ª rodada do Paraibano; Tático narra gol da vitória do Atlético

SE CUIDE!

VÍDEO: No Janeiro Branco, Diversidade em Foco promove uma ‘Conversa sobre suicídio e como evitá-lo?’

RECONHECIMENTO

Prefeito de Sousa garante ajuda mensal ao médico cubano: “Eu irei ajudá-lo em todos os momentos”

"MERECIA MAIS"

VÍDEO: Comentarista critica falta de prestígio de Sousa com o Governo do Estado nas nomeações de cargos