header top bar

section content

Banco do Brasil perde novamente na Justiça por negar liberação de empréstimos ao Estado da Paraíba

O magistrado indeferiu um agravo de instrumento, com pedido de efeito suspensivo, interposto pela instituição financeira.

Por PB Agora

31/01/2018 às 08h43 • atualizado em 31/01/2018 às 09h13

Banco do Brasil perde mais uma batalha judicial (Foto da internet)

O Banco do Brasil sofreu uma nova derrota na Justiça na tarde desta terça-feira (30). O banco tem se negado a liberar empréstimos no valor de aproximadamente R$ 150 milhões ao Governo do Estado. Desta forma, o Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB) manteve a decisão da 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de João Pessoa determinando que o Banco do Brasil libere os empréstimo. De acordo com a decisão, caso se negue a cumprir o banco poderá pagar multa de até R$ 10 milhões.

A decisão judicial foi expedida pelo juiz Aluízio Bezerra. O magistrado indeferiu um agravo de instrumento, com pedido de efeito suspensivo, interposto pela instituição financeira. De acordo com o despacho do juiz,

Em seu despacho, o juiz determinou que fossem encaminhadas ao Ministério Público peças do processo para a instauração de inquérito. Ele considerou que o Banco do Brasil vem descumprindo a determinação judicial expedida no início de janeiro pela 2ª Turma Recursal Permanente da Capital.

Leia na íntegra a decisão do juiz Aluízio Bezerra.

PB Agora

Fonte: PB Agora - http://www2.pbagora.com.br/noticia/Para%C3%ADba/20180130174046/banco-do-brasil-perde-novamente-na-justica-por-negar-liberacao-de-emprestimos-ao-estado

"AQUI NESSA MESA DE BAR"

VÍDEO: Homenagem a garçons de Cajazeiras no programa Xeque-Mate tem música, drinks e boas histórias

SAÚDE E BEM-ESTAR

VÍDEO: Sangramento nas regiões do reto e do ânus pode ser sinal de doença grave, avisa médico

APOIO DE CRAQUE

VÍDEO: Embaixador do Campeonato Paraibano, Hulk diz que está à disposição para ajudar clubes do Sertão

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS

VÍDEO: Para advogado da OAB de Cajazeiras, investir em presídios e não em escolas é ‘enxugar gelo’