header top bar

section content

Prefeito de Cajazeiras detona Ricardo Coutinho; José Maranhão e Santiago

Rafael só foi cauteloso ao falar do deputado José Aldemir. Quanto ao ex-prefeito Léo, ele definiu como um grande gestor.

Por

16/12/2011 às 20h21

O prefeito da cidade de Cajazeiras, Carlos Rafael (PTB), em entrevista a imprensa nesta sexta-feira (16), rebateu várias críticas do ex-preito Carlos Antonio e disse que o ex-gestor não tinha moral para cobrar salários atrasados, muito menos cidade limpa, pois o lixo e a falta de pagamento aos servidores foram às marcas deixadas pela gestão passada.

Carlos Rafael não perdeu a oportunidade de alfinetar o governador Ricardo Coutinho, o ex-governador José Maranhão e o ex-senador Wilson Santiago, e disparou: “Não boto minha mão no fogo por nenhum deles porque elas podem queimar e eu não quero minhas mãos queimadas”. Disse o prefeito.

O gestor cajazeirense não disse que colocaria a mão no fogo por Vituriano de Abru, mas afirmou que se dar muito bem com o parlamentar. Quanto a Zé Aldemir ele foi muito cauteloso e declarou que o deputado poderia trabalhar mais pela cidade. “Respeito Zé Aldemir como deputado e como pessoa”.

Ele se referiu ao ex-prefeito Léo Abreu como um grande gestor. “Léo honrou muito a administração e sempre teve muito respeito por todos”. Elogiou Rafael.

Perguntado se colocaria a mão no fogo por Carlos Antonio, o prefeito declarou que não tinha coragem de passar nem perto desse fogo, quanto mais botar a mão. “Deus me livre. Tenho amor a minha mão”. Declarou.

Ouça o áudio!

DIÁRIO DO SERTÃO
 

Tags:

Recomendado para você pelo google

ENTREVISTA

Presidenta do Coren diz que enfermeiro pode ter clínica, luta pelo piso salarial e fala sobre concursos

POSSÍVEL CANDIDATO

VÍDEO: Ex-prefeito de Cachoeira dos Índios revela quais os ‘vices dos sonhos’ para sua chapa em 2020

AVENIDA LOTADA

VÍDEO: Show de comunidade católica famosa em todo o Brasil reúne multidão em São José de Piranhas

TERRAS

VÍDEO: Diversidade em Foco fala da Comissão Pastoral da terra e da luta agrária no sertão