header top bar

section content

Cemitérios de Cajazeiras recebem milhares de fieis

Conforme informações da Secretaria de Infra-estrutura, os portões dos cemitérios foram abertos desde as 6h e só fecharão as 19h.

Por

02/11/2009 às 09h04

Cerca de 10 mil pessoas que visitarão os cemitérios de Cajazeiras no Dia de Finados terão uma programação especial. No Cemitério Coração de Maria, um dos mais populosos da cidade, a Diocese de Cajazeiras preparou a celebração de duas missas que acontecem as 07h00 e às 17h00. Nos outros quatro cemitérios, haverá missas apenas a tarde. 

Segundo a assessoria de comunicação da Diocese de Cajazeiras, todos os cinco cemitérios públicos da capital ficaram responsáveis pela própria programação de eventos para o Dia de Finados. O administrador dos cemitérios, informou que todas as missas acontecerão no próprio cemitério. 

A movimentação em torno dos cemitérios começou desde as primeiras horas desta segunda-feira(02). No Coração de Maria e no Nossa Senhora Aparecida, os dois principais, a venda de flores está aquecida os tipos de flores mais procurados para enfeitar os túmulos nesta época são monsenhor e rosas. 

A Superintendência de Trânsito de Cajazeiras e o PPTran estão realizando um esquema especial de trânsito para este Dia de Finados, nos cemitérios da cidade. Agentes de trânsito em pontos fixos e móveis irão monitorar, fiscalizar e orientar o tráfego nas vias que dão acesso aos campos santos. 

Conforme informações da Secretaria de Infra-estrutura, os portões dos cemitérios foram abertos desde as 6h e só fecharão as 19h.

JOSELITO FEITOSA
Da Redação do Diário do Sertão

Tags:
FUTEBOL

VÍDEO: Diário Esportivo traz resumo da 2ª rodada do Paraibano e detalhes da nova contratação do Atlético

COM CHICO CARDOSO

VÍDEO: ‘Briga’ entre Zé Aldemir e Airton, e Tyrone com os Gadelhas são os destaques do Direto ao Ponto

PROGRAMA XEQUE-MATE

VÍDEO: Advogadas tiram dúvidas sobre Previdência Social e criticam atendimento no INSS de Cajazeiras

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Júnior e Jeová começam a ganhar cargos em Cajazeiras e “sinal vermelho foi ligado”, diz colunista