header top bar

section content

Após 3 anos de crise, Brasil perde 2,8 milhões de empregos com carteira

País fechou 2017 com 20,8 mil vagas formais a menos.

Por Luzia de Sousa

28/01/2018 às 06h45 • atualizado em 27/01/2018 às 14h46

Cajazeirenses querem mais emprego

O Brasil perdeu 2.882.379 empregos com carteira assinada entre 2015 e 2017, anos de crise econômica, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho.

No ano passado, o país criou 14,635 milhões de vagas formais, de acordo com os números divulgados nesta sexta-feira (26), mas foram cortadas outras 14,656 milhões. O saldo final foi de 20,8 mil empregos a menos.

Foi o terceiro ano consecutivo de queda, após o corte de 1,326 milhão de empregos em 2016 e 1,534 milhão em 2015.

Apesar da queda, o ministro substituto do Trabalho, Helton Yomura, comemorou o resultado.

— Para os padrões do Caged, esta redução em 2017 é equivalente à estabilidade do nível de emprego, confirmando os bons números do mercado na maioria dos meses do ano passado e apontando para um cenário otimista neste ano que está começando.

Avaliação parecida faz o professor de economia da Universidade Metodista de São Paulo Sandro Maskio.

— O que a gente observa em 2017 é que parou de piorar. Não significa que melhorou, mas parou de cair.

Indústria e construção com pé no freio

Considerando os setores da economia, as atividades de extração mineral, indústria da transformação, serviços industriais de utilidade pública, administração pública e construção registraram o terceiro ano seguido em que as demissões superaram as contratações.

PublicidadeFechar anúncio
O destaque negativo é a construção civil, que perdeu 103 mil empregos formais no ano passado, após cortes de 361 mil em 2016 e 416 mil em 2015 — saldo negativo de 882 mil nos anos da crise econômica.

Mas quem mais perdeu com a crise econômica foi a indústria da transformação, que acumulou 956 mil vagas a menos nos três últimos anos. O setor, contudo, registrou queda menor no ano passado, com corte de 19,9 mil vagas, ante 324 mil em 2016 e 612 mil em 2015.

“O setor industrial tem melhora localizada em alguns setores, mas ele não se recupera de forma veloz. O volume de emprego no setor industrial demanda tempo e fôlego”, afirma Maskio.

— Já a construção civil sente os efeitos de dois grandes baques e vai demorar mais tempo para comemorar [recuperação], mais até do que a indústria. Ela sofre com o investimento público em crise, já que o governo investe pouco. E também sente o efeito da queda da massa de renda, com o volume de desemprego alto.

Comércio e serviços em alta
Os setores de comércio e serviços, por outro lado, estancaram em 2017 as quedas dos dois anos anteriores. Comércio criou 40 mil vagas no ano passado ante cortes de 197 mil e 212 mil vagas em 2016 e 2015, respectivamente.

Já em serviços as contratações superaram as demissões em 37 mil empregos de carteira assinada. Em 2016 a redução no setor foi de 392 mil e, em 2015, de 267 mil.

“Como em 2017 parou de piorar, a massa de renda se estabilizou. Com essa desaceleração da piora do mercado, o comércio tem um respiro”, diz Maskio.

— Para o setor de serviços é semelhante, mas com uma ponderação. Boa parte dos serviços, principalmente em regiões metropolitanas, são vinculados à atividade industrial. Como tem apresentado melhoras na produção industrial, isso aponta melhora também no setor de serviços. Puxado também pelo cenário pouco melhor do mercado de trabalho.

R7

Recomendado para você pelo google

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Após fazerem as ‘pazes’, Jeová e Júnior vão dividir cargos na saúde com Estela, diz comentarista

ECOTROTE

VÍDEO/FOTOS: Trote diferente da Faculdade Santa Maria conscientiza novatos a cuidarem do meio ambiente

QUE VENHA MAIS!

VÍDEO! Sousa registrou maior chuva da Paraíba em 2019 e açude São Gonçalo aumenta 61 centímetros

SONHO REALIZADO

VÍDEO/FOTOS: Prefeitura de Cajazeiras realiza sorteio de 300 apartamentos e evento é marcado pela emoção