header top bar

section content

Professora que forçava alunos a fazer sexo com ela em troca de notas altas pode ficar 40 anos na cadeia

O crime foi descoberto depois de uma de suas vítimas contar a história aos pais, que tiveram acesso às mensagens e imagens enviadas ao celular do filho

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

18/11/2017 às 13h27

Professora enviava fotos aos alunos (foto: reprodução/IG)

Uma professora colombiana está sendo acusada de estuprar seus alunos do ensino médio. De acordo com o Daily Mail , a mulher forçava os adolescentes, de 16 e 17 anos, a fazer sexo com ela em troca de boas notas. Identificada como “Yokasta M”, a docente pode ficar até 40 anos na prisão.

Segundo o Canal 4 , os casos aconteceram na cidade de Medellín, na Colômbia, entre os meses de janeiro e abril deste ano. A professora chegava até os estudantes por meio das redes sociais, pedindo seus números de telefone “para ajudá-los com a lição de casa”. Yokasta, de 40 anos, usava o WhatsApp para enviar fotos íntimas e propostas sexuais aos alunos.

Casada, ela convidava os adolescentes a passar um tempo em seu apartamento, e chegando lá, os jovens eram coagidos a transarem com a mulher sob a ameaça de repetirem de ano, caso negassem.

O crime foi descoberto depois de uma de suas vítimas contar a história aos pais, que tiveram acesso às mensagens e imagens enviadas ao celular do filho. Queixas foram prestadas e a mulher foi presa. Agora, seu marido entrou com um pedido de divórcio e, detida, ela pode ficar até quatro décadas na prisão.

IG

Tags:

Recomendado para você pelo google

COBRA REAJUSTE DE 2018

VÍDEO: Sindicalista elogia Zé Aldemir por salário de professores, mas diz que felicidade é ‘entre aspas’

ANALISAR MELHOR FORMA

Presidente da OAB Nacional diz que irá discutir modelo legal para a questão do armamento no Brasil

PARTICIPE!

Retiro de Carnaval de Pombal recebe adesão de fiéis para a execução do maior evento religioso da cidade

SANTA MARIA

VÍDEO: Faculdade de Cajazeiras é contraponto a injustiças sociais e falta de ‘gentilezas’, diz diretora