header top bar

section content

Felicidade da mulher é mais importante do que a do marido para um casamento duradouro, diz estudo

Pesquisa oferece uma visão sobre a relação entre qualidade conjugal e bem-estar mais tarde na vida

Por Rutgers Today

21/12/2018 às 09h20

O estudo mostrou que as mulheres que sentem satisfação com o casamento têm maior probabilidade de ter um marido mais feliz e saudável

Quando se trata de um casamento feliz, um novo estudo da Rutgers descobre que quanto mais conteúdo a esposa está com a união de longo prazo, mais feliz é o marido com sua vida, não importa o que ele sente sobre suas núpcias.

“Eu acho que se resume ao fato de que quando uma esposa está satisfeita com o casamento, ela tende a fazer muito mais para o marido, o que tem um efeito positivo em sua vida”, disse Deborah Carr, professora do Departamento de Sociologia. , Escola de Artes e Ciências. “Os homens tendem a ser menos vocais sobre seus relacionamentos e seu nível de infelicidade conjugal pode não ser traduzido para suas esposas.”

Carr e Vicki Freedman, professor pesquisador do Instituto de Pesquisa Social da Universidade de Michigan, foram co-autores de um estudo publicado na edição de outubro do Journal of Marriage and Family sobre a qualidade conjugal e a felicidade entre adultos mais velhos.

O estudo, feito pelas duas universidades Big Ten, difere de pesquisas anteriores, de acordo com Carr, porque examina os sentimentos pessoais de ambos os cônjuges para determinar como essas avaliações conjugais influenciam o bem-estar psicológico de adultos mais velhos. Pesquisadores analisaram dados de 394 casais que faziam parte de um estudo nacional de renda, saúde e deficiência em 2009. Pelo menos um dos cônjuges tinha 60 anos ou mais e, em média, os casais eram casados ​​por 39 anos.

A fim de avaliar a qualidade conjugal, os envolvidos no estudo foram questionados sobre várias questões, como se o cônjuge os aprecia, argumenta com eles, compreende seus sentimentos ou lhes dá nos nervos. Eles também foram solicitados a manter diários detalhados sobre o quão felizes eles estavam nas 24 horas anteriores, fazendo atividades selecionadas como fazer compras, fazer tarefas domésticas e assistir televisão.

Os envolvidos no estudo, em média, avaliaram sua satisfação com a vida em geral alta, tipicamente cinco dos seis pontos – com os maridos classificando seu casamento um pouco mais positivo do que suas esposas.

“Para ambos os cônjuges estar em um casamento melhor avaliado foi ligado a uma maior satisfação de vida e felicidade”, disse Carr.

Ainda assim, disse ela, o estudo também descobriu que, enquanto as esposas ficam menos felizes se seus cônjuges ficam doentes, o nível de felicidade dos maridos não muda ou reflete o mesmo resultado se suas esposas adoecerem.

“Sabemos que, quando um parceiro está doente, é a esposa que muitas vezes cuida da criança, o que pode ser uma experiência estressante”, disse Carr. “Mas muitas vezes, quando uma mulher fica doente, não é o marido dela que ela depende, mas a filha.”

O estudo é importante, disseram os pesquisadores, porque a qualidade de um casamento pode afetar a saúde e o bem-estar das pessoas idosas à medida que continuam envelhecendo.

“A qualidade de um casamento é importante porque fornece um amortecedor contra os efeitos de esgotamento da vida de estressores da vida mais tarde e ajuda os casais a gerenciar decisões difíceis sobre saúde e tomada de decisão médica”, disse Carr.

Fonte: Rutgers Today - https://news.rutgers.edu/research-news/wife%E2%80%99s-happiness-more-crucial-her-husband%E2%80%99s-keeping-marriage-track-rutgers-study-finds/20140911#.XBzZuFxKjIV

MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”