header top bar

section content

Sexo de conchinha: mudança simples pode dar muito mais prazer para o casal na hora do sexo

Forma como o homem conduz a penetração, segundo especialista, pode fazer com que seja mais fácil atingir o ponto G e, com isso, garantir mais prazer

Por IG

22/02/2019 às 11h28

Maneira como o homem conduz a penetração pode ajudar a mulher a ter mais prazer no sexo de conchinha

A posição de conchinha é um clássico na hora do sexo. Ela é perfeita para os casais românticos, que curtem trocar carícias e ficar agarradinhos na hora da transa. E segundo a terapeuta sexual Laura Berman, uma simples mudança no momento da penetração pode tornar essa posição ainda mais prazerosa para a mulher.

Em entrevista ao site da revista Cosmopolitan , Laura dá a dica. De acordo com a especialista, melhor do que o homem fazer o movimento de vai e vem completo com o pênis no momento da penetração na posição de conchinha , ele deve manter o membro dentro da mulher.

A terapeuta explica que dessa maneira, e fazendo movimentos mais curtos, o homem consegue pressionar com seu orgão a parede da vagina. Com isso, há grandes chances de alcançar o ponto G e garantir mais orgasmos para a parceira.

Por outro lado, a especialista ressalta que com essa posição geralmente não se alcança uma penetração profunda. Diante disso, para esquentar ainda mais o clima, Laura lembra como usar as mãos pode ser importante. “Guie seu parceiro e coloque as mãos deles em seu clitóris”, sugere.

Ela ainda completa, listando algumas vantagens do sexo de conchinha. “Além de satisfazer as necessidades de carinhos, nesta posição é possível ter estímulos consistes, o que é fundamental para alcançar o orgasmo no sexo”.

Na maneira mais conhecida desta posição, a mulher fica deitada de lado e o homem se posiciona atrás dela. Entretanto, com outras mudanças também simples é possível variar a pose e ter níveis diferentes de prazer.

Para muitas mulheres, chegar lá com a penetração é resultado do ângulo correto do pênis na vagina. Por isso, se com as pernas fechadas você não está sentindo o estímulo necessário, tenta virar levemente o corpo, ainda de costas, na direção do parceiro. A ideia é que vocês fiquem mais próximos da diagonal.

Depois disso, jogue uma das pernas sobre o corpo do parceiro, como mostra a ilustração acima. Dessa maneira, a penetração será um pouco mais profunda e o ângulo também vai mudar. O resultado pode ser um orgasmo bem mais intenso.

E quem disse que é preciso penetração para ter prazer? Essa posição também é ótima para que o homem acaricie a mulher nas preliminares e leve a masturbação digamos, ao limite. Ele pode usar as mãos para estimular o clitóris da parceira, como já sugeriu a terapeuta sexual, ou mesmo incluir algum brinquedo sexual na relação.

Para incrementar ainda mais esse momento, a mulher pode fazer movimento com o quadril, roçando o corpo no parceiro. A fricção do pênis dele contra o bumbum ou as coxas da mulher, mesmo sem a penetração, também trará uma sensação bastante prazerosa para o homem.

Outra ideia é aproveitar que estão lado a lado e com a mulher de costas para o parceiro para tentar uma penetração dupla . É possível, por exemplo, usar o pênis para a penetração anal e o dedo ou um brinquedo para a penetração vaginal.

Só é preciso que quando se trata de sexo anal, para evitar dores ou incômodos com a prática. É bom ter calma e começar devagar. Pensando nisso, a posição de ladinho é uma boa prática justamente porque a penetração acaba não sendo tão profunda.

Fonte: IG - https://delas.ig.com.br/amoresexo/2019-02-22/conchinha-dicas.html

Recomendado para você pelo google

EM CAJAZEIRAS

VÍDEO: Ex-ministro da Justiça afirma que Lula é inocente e defende anulação da sentença pelo STF

VÍDEO

Delegada da Mulher de Patos declara que aumento de feminicídios na região chama atenção pela crueldade

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

VÍDEO: Comitê Pró-HU do Sertão volta de Brasília otimista com possível aumento de recursos para a obra

123 DIAS

VÍDEO: Dra. Paula pede licença na Assembleia para cuidar da saúde; ela passará por duas cirurgias