header top bar

string(11) "show-diario"

section content

Estudo mostra que pornografia pode ser prejudicial ao cérebro

Homens que passam muito tempo vendo pornografia na internet parecem ter menos matéria cinzenta em certas partes do cérebro e sofrem redução de sua atividade cerebral, revelou um estudo alemão publicado nesta quinta-feira (29) nos Estados Unidos. "Encontramos um importante vínculo negativo entre o ato de ver pornografia durante várias horas por semana e o […]

Por

03/06/2014 às 07h23

Assistir pornografia antes de um primeiro encontro pode aumentar as chances de ele ser bem-sucedido (Foto: imprensa)

Homens que passam muito tempo vendo pornografia na internet parecem ter menos matéria cinzenta em certas partes do cérebro e sofrem redução de sua atividade cerebral, revelou um estudo alemão publicado nesta quinta-feira (29) nos Estados Unidos.

"Encontramos um importante vínculo negativo entre o ato de ver pornografia durante várias horas por semana e o volume de matéria cinzenta no lóbulo direito do cérebro", assim como a atividade do córtex pré-frontal, escrevem os cientistas do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano em Berlim.

"Estes efeitos poderiam incluir mudanças na plasticidade neuronal resultante de intensa estimulação no centro do prazer", acrescentou o estudo, publicado na edição online da revista "Psychiatry", da Associação Médica Americana.
 


Pesquisas sobre o cérebro e mente

CÉREBRO TRANSPARENTE -Imagem renderizada em três dimensões mostra cérebro transparente criado por pesquisadores da Universidade de Stanford para estudar melhor o órgão sem dissecção e com todos os neurônios e estruturas moleculares.

Os autores, no entanto, não puderam provar que estes fenômenos sejam causados diretamente pelo consumo de pornografia e, por isso, afirmam que é necessário continuar com as pesquisas.

Mas, segundo eles, o estudo já fornece um primeiro indício da existência de uma relação entre o ato de assistir pornografia e a redução do tamanho e da atividade do cérebro como reação ao estímulo sexual.

Para realizar a pesquisa, os autores recrutaram 64 homens saudáveis com idades de 21 a 45 anos, aos quais pediram para responder a um questionário sobre o tempo que dedicavam a assistir a vídeos pornográficos. O resultado foi, em média, de quatro horas semanais.

Os voluntários também foram submetidos a tomografias computadorizadas (MRI) do cérebro para medir seu volume e observar como ele reagia às imagens pornográficas.

Na maioria dos casos, quanto mais pornografia os indivíduos viam, mais diminuía o corpo estriado do cérebro, uma pequena estrutura nervosa bem abaixo do córtex cerebral.

Os cientistas também observaram que, quanto maior o consumo de imagens pornográficas, mais se deterioravam as conexões entre o corpo estriado e o córtex pré-frontal, que é a camada externa do cérebro encarregada do comportamento e da tomada de decisões.


 

"Ninfomaníaca – Volume 1" (Nymphomaniac: Volume 1, 2013): filme de Lars Von Trier no qual Charlotte Gainsbourg vive uma mulher de 50 anos autodiagnosticada como ninfomaníaca. Depois de ter sido salva por um pescador, que a encontra desacordada na rua, ela o leva para casa e lhe revela todas as suas experiências sexuais. O segundo volume da história está previsto para março de 2014 Divulgação

Fonte: Uol 

Tags:
BENEFÍCIOS

VÍDEO/FOTOS: Bonito de Santa Fé celebra 80 anos com entrega de novos equipamentos de saúde à população

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Diversidade em Foco com professor de Português destaca as variações da nossa língua

HERANÇA ARTÍSTICA

VÍDEO: Filho de grande nome da música brasileira agita a Festa do Brega no Cajazeiras Tênis Clube

EM JOÃO PESSOA

VÍDEO E FOTOS: Posse da nova diretoria da API é marcada por repentes, lançamento de livro e emoção