header top bar

section content

Rafaela Silva é eleita judoca do ano por Comitê Olímpico

Esportista ainda concorre ao troféu de Melhor Atleta do Ano com Kahena Kunze e Martine Grael, da vela; e Poliana Okimoto, da maratona aquática

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

22/02/2017 às 08h13

A judoca foi eleita a melhor (Foto: Roberto Castro/ Brasil2016)

A atleta Rafaela Silva, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, foi eleita a judoca do ano pelo Prêmio Brasil Olímpico promovido pelo Comitê Olímpico do Brasil.

A esportista ainda concorre ao troféu de Melhor Atleta do Ano com Kahena Kunze e Martine Grael, da vela; e Poliana Okimoto, da maratona aquática. O vencedor será anunciado na festa de gala do esporte olímpico no dia 29 de março, na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro.

A escolha dos melhores atletas foi realizada por um júri formado por jornalistas, dirigentes, ex-atletas e personalidades do esporte.

Em seu perfil nas redes sociais, Rafaela comemorou a indicação a Atleta do Ano e o prêmio de judoca do ano.

“Estou muito feliz em receber esse prêmio pela segunda vez e também por indicada ao prêmio de melhor atleta do Brasil no feminino. Obrigada a todos pelo apoio e torcida de sempre. Juntos somos mais fortes”, escreveu.

Em 2013, quando conquistou o título mundial também no Rio, Rafaela levou o prêmio de melhor judoca, após tornar-se a primeira mulher campeã mundial de judô do Brasil. Com o ouro no Rio, Rafaela tornou-se a maior atleta de judô do País, única campeã olímpica e mundial. As informações são do Portal Brasil.

Notícias ao Minuto

Tags:

Recomendado para você pelo google

VÍDEO

Empresário revela convite das oposições de Cajazeiras para disputar a prefeitura e derrotar Zé Aldemir

EVENTO CATÓLICO

VÍDEO: I Adora Cristo é sucesso em Cajazeiras, e coordenador da Missão Éfeso acredita em crescimento

SAÚDE BUCAL

VÍDEO: ortodontista sousense revela se é possível rejeição em casos de implantes dentários

SEGURO DE TRÂNSITO

VÍDEO: Para chefe do Detran de Cajazeiras, fim do DPVAT é retrocesso: “Se tem falhas, tem que corrigir”