header top bar

section content

Daniel Alves reitera crítica a Maradona e dispara: ‘Não gosto dele’

Lateral avalia que argentino não é bom exemplo de esportista para os jovens

Por Priscila Belmont

23/06/2017 às 08h54

© Instagram e Reuters

Daniel Alves e Diego Maradona vêm trocando farpas nos últimos dias. Tudo começou quando o brasileiro afirmou que o argentino não era exemplo aos mais jovens por não ter seguido as regras em seu período de esportista – a referência foi, principalmente, ao gol de mão marcado nas quartas de final da Copa de 1986, que garantiu a vitória da Argentina sobre a Inglaterra por 2 a 1.

Como resposta, “El Pibe” disse que Dani era um idiota que só joga à base de cruzamentos. “Um idiota que em 28 cruzamentos acerta 4. Bons laterais eram o Cafu e o Maicon. Daniel Alves? É muito pobrezinho”, disparou o argentino.

Nessa quinta-feira, em participação no programa “Conversa com Bial”, Dani reiterou sua posição. “Acho que eu não comprei briga com ninguém. O meu objetivo é sempre passar mensagem positiva aos jovens. Eu gosto de levar grandes exemplos, grandes pessoas que fizeram uma carreira incrível e respeitaram, seguiram as regras”, disse. “Não é porque eu não gosto dele, se bem que ele é argentino, né? Mas normalmente só gosto de argentino quando jogo com ele”, prosseguiu.

“Com todo respeito ao Maradona, não seria um orgulho para mim falar que ganhei uma Copa do Mundo fazendo gol de mão. Mão de Deus não engana, Mão de Deus é ponta firme. Enganou todo mundo, ficou famoso por isso, beleza. Respeito o Maradona, mas para mim, como esportista, não colocaria como exemplo para os jovens”, finalizou.

Noticias ao Minuto

ANTIGO E NOVO

VÍDEO: Secretário e prefeito exibem projeto do novo Museu de Cajazeiras feito por arquiteta cajazeirense

COBRANÇAS INDEVIDAS

VÍDEO: Problemas com empréstimo consignado? Advogado dá orientações para que você não seja negativado

HAJA ÁGUA!

VÍDEO: chuvas na região do Vale do Piancó destroem festa de São Sebastião e danificam veículo

ACESSO FACILITADO

VÍDEO: Padre diz que decreto de Bolsonaro é prestação de contas às empresas de armas que o financiaram