header top bar

section content

Em jogo feio, Willian faz dois gols e Brasil vence a Venezuela

Atacante Ricardo Oliveira, do Santos, completou a vitória brasileira por 3 a 1, na Arena Castelão

Por

14/10/2015 às 07h40

Jogadores comemoram primeiro gol de Willian (Foto: Evaristo Sa/AFP)

Na Arena Castelão, em Fortaleza-CE, o Brasil derrotou a Venezuela por 3 a 1, nesta terça-feira, pela segunda rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo 2018.

Com o resultado, os brasileiros subiram para a quinta colocação, com três pontos conquistados, e se recuperaram da derrota na estreia para o Chile. Os venezuelanos caíram para nono, ainda sem vencer.

O Brasil foi rápido para abrir o placar. Logo aos 35 segundos de jogo, Willian ficou com a bola após desarme de Luiz Gustavo, avançou pela direita e finalizou. O goleiro Baroja falhou e a bola foi parar no fundo das redes.

O segundo gol saiu ainda na etapa inicial. Filipe Luis fez jogada pela esquerda, passou por dois defensores e fez o passe para o meio. Oscar deixou passar e Willian fez o segundo.

A Venezuela diminuiu aos 19 minutos do segundo tempo. Christian Santos aproveitou o desvio no meio da área após cruzamento de Seijas e colocou para o fundo das redes.

Melhor no jogo, a seleção brasileira deu números finais ao confronto aos 28. Douglas Costa fez o cruzamento pela esquerda e o atacante Ricardo Oliveira cabeceou para anotar o terceiro.

O Brasil volta a campo no dia 13 de novembro, às 20h, quando enfrenta a Argentina, fora de casa. A Venezuela joga no dia 12, às 18h, diante da Bolívia, também fora de casa.

Band

Tags:

Recomendado para você pelo google

EM SOUSA

Radialista revela que “vítima da mão pesada e dos chutes do prefeito Tyrone” disputará eleições em 2020

VÍDEO

Comandante do Corpo de Bombeiros aponta possíveis causas do incêndio no lixão de Cajazeiras

SAÚDE

VÍDEO: Programa Xeque Mate fala sobre a saúde de Cajazeiras e recebe popular e diretoras do HUJB e HRC

REFORMA AGRÁRIA

VÍDEO: Coordenadora da CPT Sertão afirma que terras são um direito dos camponeses e não do agronegócio