header top bar

section content

Léo Moura fica indignado com imagem em Parada Gay: “Já passou dos limites”

A maioria dos seguidores defendeu o ponto de vista do jogador brasileiro, alguns até mesmo num tom mais agressivo

Por

08/06/2015 às 07h40

O jogador ficou irado e desabafou em suas redes sociais (Foto: Reprodução)

Léo Moura ficou indignado com uma imagem que viu na Parada Gay, neste domingo em São Paulo. Evangélico, o lateral-direito do Fort Lauderdale Strikes postou no Instagram a foto de uma pessoa crucificada na Avenida Paulista, com os dizeres "Basta de Homofobia". Em tom de desabafo, o ex-jogador do Flamengo escreveu um texto falando em falta de respeito e deboche.

– Que tristeza ver essa imagem! Que Jesus tem com isso? Quanto deboche! Quanta falta de respeito, meu Deus! Tenho muitos amigos gays, adoro todos e respeito a opção de cada um, não vamos generalizar, mas desrespeitar quem "deu a vida por você". Já passou dos limites! Muito triste isso… Onde vamos parar com isso? Quem fez isso trate de pedir perdão a Jesus… #omundoestaacabando – escreveu o lateral- direito.

A postagem rapidamente levantou um debate. A maioria dos seguidores defendeu o ponto de vista do jogador brasileiro, alguns até mesmo num tom mais agressivo, enquanto outros levaram para o lado da piada.

– Triste mesmo essa imagem! – disse um seguidor do lateral.

– Pedem respeito, mas não respeitam. Verdadeira hipocrisia! – respondeu outro.

– Podiam ter colocado Eurico Miranda, né?- disse um terceiro internauta, que preferiu levar para a brincadeira.

GE

Tags:

Recomendado para você pelo google

RELAÇÃO COM EMPRESÁRIOS

VÍDEO: Prefeito de Cajazeiras não descarta fazer uma reforma tributária e manda recado para ‘algozes’

SERVIÇO MILITAR

VÍDEO: Quase 100 novos atiradores são incorporados ao Tiro de Guerra de Cajazeiras durante solenidade

TRIMESTRE CHUVOSO

VÍDEO: Açude Grande de Cajazeiras sangra pela primeira vez em 2019 e traz esperança para a população

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras