header top bar

section content

Prefeitura de Sousa solicita ao Bombeiros uma vistoria no estádio ¨O Marizão¨ Fotos e vídeo!

Esta vistoria objetiva uma maior segurança para o campeonato Paraibano do ano de 2012. Foi constatado várias irregularidades que podem ser sanadas.

Por

07/12/2011 às 11h17

Na tarde dessa terça-feira (06), a Prefeitura Municipal de Sousa fez uma solicitação a 1ª Companhia Regional de Bombeiros, para realizar uma vistoria no Estádio "O Marizão", na cidade de Sousa.
Segundo informações, esta vistoria objetiva uma maior segurança para o campeonato Paraibano do ano de 2012.

Os Bombeiros se embasaram também nos Laudos do ano de 2010. Segundo o major Jean Vieira, na vistoria foi constatado várias irregularidades na estrutura, como fixação de alambrado, extintores e medidas preventivas de combate a incêndio e pânico, que podem ser sanadas.

A direção do Estádio irá recebe o Relatório dessa análise nesta quinta-feira (08), a qual será orientada de como acabar com as irregularidades encontradas.

Decreto 6795/2009
Segundo o decreto assinado pelo presidente Lula que autoriza a liberação de Estádios de futebol, devem passar sobre a vistoria de órgãos, e estes emitirem laudos referentes à Combate a Incêndio e ocupação, Vigilância Sanitária e higiênica, engenharia estrutural e segurança.

As vistorias visam a segurança dos torcedores, profissionais de imprensa, atletas e todos aqueles que frequnetam aquele estabelecimento.

Veja mais fotos na galeria, clique e aumente o tamanho.

Ouça o áudio da entrevista ao programa Cidade Notícias da Líder Fm

DIÁRIO DO SERTÃO
 

Tags:
MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”