header top bar

section content

Assembleia lembra episódios do Golpe de 64

Os parlamentares que não se adequassem às duras regras impostas pelo regime, perderiam os mandatos e os direitos políticos.

Por

01/04/2014 às 16h48

Deputados lembram Regime Militar

A Mesa Diretora da Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB) lembra, nesta terça-feira (1º),  data em que se completam 50 anos do Golpe Militar, as fases difíceis do período e a cassação dos mandatos de parlamentares.
 
A instalação do golpe militar de 1964 trouxe mudanças significativas na composição do Poder Legislativo. Os parlamentares que não se adequassem às duras regras impostas pelo regime, perderiam os mandatos e os direitos políticos.
 
A maioria da ALPB decidiu pela cassação dos mandatos dos deputados Francisco de Assis Lemos, então presidente da Federação das Ligas Camponesas, e Langstein de Almeida e dos suplentes, Antônio de Figueiredo Agra e Agassiz de Almeida (irmão de Langstein).
 
“O simbolismo e a importância histórica destes 50 anos do golpe militar no Brasil devem servir hoje para fortalecer, em todos nós, cidadãos brasileiros, nossa compreensão do valor da liberdade e da democracia na construção de uma nação", afirmou o presidente da ALPB, Ricardo Marcelo.
 
Segundo ele, é importante lembrar do período, para que nunca mais se repitam as cassações políticas, os exílios, a censura, as prisões e torturas. Ricardo Marcelo destacou a luta de dos parlamentares que perderam os mandatos por defenderem a democracia e a defesa da população, em detrimento aos interesses dos militares.
 
"Mais do que não se apegar a erros do passado, é fundamental seguir na luta para preservar e ampliar os direitos e as conquistas que a redemocratização nos trouxe. Ditadura nunca mais. Sem democracia, não há país justo. Manter acesa a chama da liberdade é dever de todos nós”, declarou.

Testemunha do Golpe Militar – A historiadora Martha Falcão é testemunha fiel do Golpe Militar de 1964. Segundo ela, nos momentos que antecederam o golpe militar no Brasil, a Paraíba vivia um momento de grande efervescência política e social.
 
Ela também foi uma das vítimas do Golpe. O seu pai, Antônio Teixeira, ex-prefeito de Santa Rita por duas vezes e vereador por quatro mandatos, foi preso e torturado pelo regime militar. “Como professora de História e testemunha viva do truculento e opressor período da ditadura no Brasil, faço o possível para não deixar que as pessoas esqueçam os absurdos que aconteceram na época”, ressaltou.
 
Martha Falcão explica que o Golpe foi articulado por vários anos entre o governo dos Estados Unidos e os líderes do regime militar brasileiro. “O Golpe era para acontecer bem antes de 1964, pois desde o fim da Segunda Guerra Mundial, durante o período da Guerra Fria, que os Estados Unidos tramavam a tomada do poder do Governo brasileiro pelos militares. Eles queriam prevalecer à força do capitalismo contra o comunismo que ameaçava essa hegemonia no período, e assim aconteceu durante 21 anos de ditadura”, disse.

Mudanças – Para o historiador José Artigas, passado o golpe militar, é importante refletir a ditadura e a política brasileira atual para que atitudes semelhantes não voltem a ocorrer. “Muita coisa mudou no Brasil nestes últimos 50 anos. Mas muito ainda precisa mudar para que a plataforma democrática se consolide não apenas no aspecto institucional e eleitoral”, ressaltou.
 
Segundo Artigas, a existência de eleições e partidos livres, pleitos regulares e sufrágio universal, ou seja, instrumentos institucionais de uma democracia formal, procedimental, não obscurecem a necessidade de um aprofundamento da democracia substantiva, que prevê garantias de igualdade mínima, preservação de direitos e liberdades e igualdade de oportunidades.
 
De acordo com o historiador, além das dívidas social e econômica, a ditadura civil-militar inaugurada em 64 deixou ainda diversas heranças malditas, como a militarização das polícias, que mantém métodos de segurança marcados pela violência contra os cidadãos e pelo desrespeito sistemático aos direitos humanos.
 
Programação especial       
A TV Assembleia prepara matéria especial sobre o golpe de 1964. Ela será exibida no programa Assembleia Notícias, desta terça-feira (1), a partir das 19h. Também será apresentado nos próximos dias um programa de debates sobre o regime militar com a participação da historiadora Martha Falcão e do cientista político, José Artigas.
 
Durante o programa, será exibida uma matéria especial com os ex-deputados que tiveram os mandatos cassados, Assis Lemos e José Maranhão. Para assistir à TV Assembleia com qualidade digital e via satélite, basta sintonizar os canais 40.2 da sua TV aberta ou 11 da NET TV.

Assessoria

Tags:

Recomendado para você pelo google

VIRALIZOU NA WEB

Vídeo de jovem que se feriu ao pular de sangria de barragem no Sertão vai parar em página de humor

VÍDEO!

Projeto social de Cia de Trânsito de Cajazeiras distribui cestas básicas e ovos de Páscoa para crianças

DESABAFO

VÍDEO: Vereadora ex-aliada do prefeito de Ipaumirim, detona gestão de Geraldão: “O prefeito é ausente”

BOA INICIATIVA!

Prefeito de Monte Horebe anuncia pães e peixes para população carente e antecipação do salário de Abril