header top bar

section content

Quatro homens foram mortos durante tiroteio na região de João Pessoa; PM investiga o caso

PM acredita que os crimes tenham relação com o tráfico de drogas. Vítimas foram atingidas por quase 50 tiros.

Por Portal Diário com G1 PB

04/04/2018 às 09h21 • atualizado em 04/04/2018 às 09h45

Os quatro corpos foram encontrados perfurados a bala, na madrugada desta quarta-feira (4), em Cabedelo. (Foto: Walter Paparazzo/G1)

Quatro homens foram mortos a tiros na madrugada desta quarta-feira (4), no município de Cabedelo, Região Metropolitana de João Pessoa. De acordo com a Polícia Militar (PM) os corpos das quatro vítimas foram encontradas, por volta de 1h, na comunidade Beco de Quitéria, no bairro Renascer III.

De acordo com a PM, moradores da comunidade Beco Quitéria ouviram diparos mas não souberam informar os autores dos tiros. Ao chegar no local, a PM encontrou os quatro corpos. Segundo a PM, as vítimas teriam envolvimento com o tráfico de drogas na região.

Com as vítimas não foram encontrados nenhum documento de identificação. Porém, a príncipio, a Polícia Cívil identificou as vítimas como Negrinho, Seu Zé, Alagoinha e Diel. As vítimas foras atingidas com 15, 21, 4 e 8 tiros, respectivamente.

Os corpos das quatro vítimas foram encaminhadas para o Instituto de Polícia Cientifica (IPC) de João Pessoa. A Polícia investiga o caso, mas não tem informações sobre suspeitos. Até às 7h desta quarta-feira (4) ninguém tinha sido preso.

Fonte: Portal Diário com G1 PB - https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/quatro-homens-sao-mortos-em-tiroteio-em-cabedelo-pb.ghtml

"AQUI NESSA MESA DE BAR"

VÍDEO: Homenagem a garçons de Cajazeiras no programa Xeque-Mate tem música, drinks e boas histórias

SAÚDE E BEM-ESTAR

VÍDEO: Sangramento nas regiões do reto e do ânus pode ser sinal de doença grave, avisa médico

APOIO DE CRAQUE

VÍDEO: Embaixador do Campeonato Paraibano, Hulk diz que está à disposição para ajudar clubes do Sertão

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS

VÍDEO: Para advogado da OAB de Cajazeiras, investir em presídios e não em escolas é ‘enxugar gelo’