header top bar

section content

Polícia tem nova pista sobre assassinato de Marielle

Informação foi dada por uma líder comunitária de Vargem Pequena

Por Luzia de Sousa

24/06/2018 às 06h40 • atualizado em 23/06/2018 às 11h01

Vereadora foi assassinada junto de seu motorista no dia 14 de março

Um líder comunitária de Vargem Pequena, na Zona Oeste do Rio, deu uma nova pista sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista dela Anderson Gomes.

Em depoimento à Delegacia de Homicídios (DH) da Capital na semana passada, a presidente de uma associação de moradores disse foi ameaçada em novembro de 2017 por homens armados. Os criminosos estariam irritados irritado com atividades de um movimento de regularização fundiária supostamente ligado à Marielle.

A líder comunitária só conseguiu escapar da morte quando um dos homens armados percebeu que ela não era o alvo. De acordo com o jornal ‘O Globo’, um grupo que se identificava como representantes de Marielle entravam nestas zonas, dominada por milícias, e incentivavam a luta por títulos de posse de terrenos em comunidades carentes.

A DH acredita que a “invasão” do movimento no local teria incomodado políticos da Zona Oeste do Rio.

“O slogan ‘Marielle presente’ era usado por quem dizia representá-la. A imagem dela foi associada ao movimento pela regularização de terrenos naquela parte da Zona Oeste — disse um policial da DH que participa da investigação do assassinato”, disse um policial da DH que trabalha no caso.

PARTICIPE!

VÍDEO: Gerente do Sebrae fala de revolução tecnológica em feira de Cajazeiras e convida empreendedores

PLANOS E METAS

VÍDEO: Cantor explica como pretende administrar o Atlético e declara que o problema do clube é político

CAMPEONATO PARAIBANO 2019

VÍDEO: Após vistoria técnica, representantes da CBF elogiam o estádio Perpetão: “É um dos melhores”

A ARTE DO CORPO

VÍDEO: Bailarino que dá aula de dança em Cajazeiras fala da sua trajetória e de projetos para a cidade