header top bar

section content

Mãe pede justiça após confirmação que ossada de Guilherme foi achada na PB

Laudo com possível causa da morte da criança ainda não foi divulgado. IPC confirmou identidade da ossada nesta quinta-feira.

Por G1

27/07/2018 às 07h26 • atualizado em 27/07/2018 às 07h27

Menino Guilherme Marinho, de 7 anos, desapareceu em João Pessoa (Foto: Reprodução/TV Cabo Branco)

“Eu quero justiça. Meu filho era uma criança, não devia nada a ninguém”, declarou Valdenice Marinho, mãe do menino Guilherme Marinho, de 7 anos, nesta quinta-feira (26) após a confirmação de que a ossada encontrada no bairro de Gramame, em João Pessoa, é do filho dela, que estava desaparecido há cerca de cinco meses.

Guilherme estava desaparecido desde o dia 10 de fevereiro, quando foi visto pela última vez na comunidade do Taipa, no bairro do Costa e Silva, em João Pessoa. De acordo com a mãe do garoto, ele havia saído para brincar com um vizinho e não retornou para almoçar.

De acordo com a chefe de Medicina Legal do Instituto de Polícia Científica (IPC), Cristiane Helena, exames confirmaram que os ossos achados pelo Corpo de Bombeiros em uma região de mata, no dia 15 de junho, eram do menino.

“Ainda tinha esperanças de encontrar ele vivo, mas infelizmente uma notícia dessas abala a família, a comunidade. É uma angústia, uma dor, um desespero. Eu quero justiça com quem fez isso com meu filho”, disse Valdenice em entrevista à TV Cabo Branco.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, à época em que a ossada foi encontrada, foram achados um crânio e alguns ossos. Um morador da área avistou e entrou em contato com a polícia por meio do Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop). Na ocasião, os ossos foram encontrados a cerca de dez metros da parte de fora da mata para o seu interior.

Local onde a ossada foi encontrada, no bairro de Gramame, em João Pessoa (Foto: Danilo Alves/TV Cabo Branco)

Para a coordenadora de Medicina Legal do IPC, a constatação da identidade da ossada foi possível após a mãe de Guilherme ceder amostras de DNA seu para os exames necessários. “Essa ossada deu entrada como anônima, agora que temos uma identidade, vamos solicitar as mudanças necessárias para seguir com o trabalho investigativo”, explicou Cristiane.

Os restos do menino só vão ser liberados para a família na sexta-feira (27), quando também está previsto a emissão do laudo com o relatório do que foi apurado com os exames na ossada. Até a tarde desta quinta-feira, ainda não haviam informações sobre o que pode ter causado a morte do menino. O caso segue sendo investigado pela Delegacia de Homicídios de João Pessoa, pelo delegado Reinaldo Nóbrega.

Fonte: https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2018/07/26/mae-pede-justica-apos-confirmacao-que-ossada-de-guilherme-foi-achada-na-pb.ghtml

VÍDEO: Psicologia no Ar recebe diretores e psicóloga de organização que promove cidadania em Cajazeiras

NOVIDADES

Xeque-Mate visita lançamento do novo plano da Eletrosorte, que firmou parceria com gigante dos seguros

FUTEBOL DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Dirigentes e ex-jogadores relembram histórias marcantes do Duque de Caxias, que completou 50 anos

VÍDEO: Programa de rádio que é sucesso na região de Campina fecha parceria com emissora de Cajazeiras