header top bar

section content

Homem que estuprou criança e cachorro é preso

De acordo com a Polícia Civil, o padrasto da menina teria esperado a mãe da vítima sair de casa para cometer o abuso sexual

Por Metrópoles

30/11/2018 às 10h55

Imagem ilustrativa

A Polícia Civil de Goiás (PCGO) prendeu um homem, na manhã desta quarta-feira (28/11), acusado de praticar violência sexual contra sua enteada, menor de 10 anos. Segundo a polícia, além do abuso contra a criança, o padrasto ainda foi visto praticando atos sexuais com o cachorro da família.

A menina mora com o pai, mas foi passar o domingo (25) na casa da mãe, que saiu para trabalhar na segunda-feira (26), deixando-a sozinha com o padrasto. Foi então, que a vítima relatou aos policias ter visto o homem praticando atos sexuais com o cachorro da residência.

Em seguida, o homem teria ido para o quarto da criança e, após retirar sua roupa – enquanto ela fingia estar dormindo – passou a praticar atos libidinosos com a mesma. A criança ainda informou que gritou no momento da penetração, pois sentiu dor.

A menina disse aos policiais que o padrasto a levou para casa do pai e pediu que não contasse o segredo para ninguém, prometendo presentes em troca de silêncio. Não obedecendo os pedidos do agressor, a criança narrou os fatos ao pai, que compareceu na Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente (DPCA).

A vitima foi examinada no Instituto Médico Legal (IML), onde a violência sexual ficou constatada. O abusador acabou preso em flagrante.

Fonte: Metrópoles - https://www.metropoles.com/brasil/policia-br/homem-que-estuprou-crianca-e-cachorro-e-preso-em-goias

PROBLEMA GRAVE

VÍDEO: No Xeque-Mate, voluntários debatem sobre maus tratos e abandono de animais em Cajazeiras

SANTO PADROEIRO

VÍDEO: Padre anuncia programação da festa de Dom Bosco em Cajazeiras; festival de música é confirmado

FÓRUM AÇUDE GRANDE

VÍDEO: Grupo entrega documento no MP para fortalecer campanha de revitalização do açude de Cajazeiras

"FICOU DESPREZADA"

VÍDEO: Mulher acusa HRC de negligência no caso da morte de sua irmã após parto; hospital responde