header top bar

section content

Briga por extração de areia motivou morte de integrantes do MST-PB, diz delegada

Os dois homens assassinados em dezembro de 2018, em Alhandra, Região Metropolitana de João Pessoa, teriam sido mortos porque proibiram que pelo menos um dos suspeitos do crime fizessem a extração de areia no local

Por G1 PB

17/05/2019 às 15h27

Assentamento Dom José Maria Pires fica localizado em fazenda na cidade de Alhandra — Foto: Lídia Veloso/Arquivo Pessoal

Os dois homens assassinados em dezembro de 2018, no acampamento Dom José Maria Pires, em Alhandra, Região Metropolitana de João Pessoa, teriam sido mortos porque proibiram que pelo menos um dos suspeitos do crime fizessem a extração de areia no local usado para exploração do produto. Conforme a delegada Flávia Assad, o acampamento é uma área de extração, com permissão do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra na Paraíba (MST-PB).

De acordo com a delegada, o MST permite que areeiros façam a exploração da areia, mediante o pagamento de R$ 2 mil por mês, sendo R$ 1 mil para o movimento e R$ 1 mil para os assentados. No entanto, um dos suspeitos do crime estava fazendo a extração sem realizar o repasse do dinheiro. Além disso, a extração feita por ele era clandestina, porque acontecia durante a madrugada.

Após descobrir a irregularidade, José Bernardo da Silva, conhecido como Orlando, e Rodrigo Celestino, assassinados em dezembro de 2018, proibiram a extração. Motivado por isso, o suspeito começou a articular a morte dos dois integrantes do MST.

A delegado Roberta Neiva esclareceu que o duplo assassinato não tem nenhuma ligação com o MST. “Não há nenhum tipo de criminalização do Movimento Sem Terra, o crime não tem nenhuma relação com a atividade social do movimento. É um crime motivado por questões pessoais, econômicas, de pessoas que se relacionavam com membros, integrantes do movimento”, explicou.

O acusado foi preso na Avenida Cabo Branco, em João Pessoa. O outro suspeito foi preso no próprio acampamento. A outra pessoa, presa no bairro do José Américo, na capital, não foi identificada porque a investigação ainda está em andamento.

José Bernardo da Silva, conhecido como Orlando, e Rodrigo Celestino, foram mortos por homens encapuzados e armados, de acordo com informações do MST, no acampamento Dom José Maria Pires, em Alhandra, na Região Metropolitana de João Pessoa. O duplo homicídio foi confirmado pela Polícia Militar. O crime aconteceu no dia 8 de dezembro de 2018.

As prisões desta sexta-feira (17) ocorreram por força de mandados de prisão. A operação da Polícia Civil de Alhandra contou com o apoio do Grupo de Operações Especiais (GOE).

Entenda o duplo homicídio
Conforme nota oficial divulgada pelo MST-PB, o crime ocorreu por volta da 19h30 no acampamento que fica na fazenda Igarapu, ocupada pelas famílias desde julho de 2017. José Bernardo da Silva e Rodrigo Celestino estavam jantando no momento em que os homens encapuzados entraram no local atiraram várias vezes.

O major M. Lima explicou que segundo as testemunhas do crime, os homens tinham camisas amarradas na cabeça e estavam pelo menos com duas armas de calibres diferentes.

“As armas usadas não eram automáticas ou semiautomáticas, provavelmente, de acordo com as cápsulas encontradas no local, usaram uma espingarda, calibre 12 ou 26, e um revólver calibre 38”, relatou o comandante da Polícia Militar de Alhandra.

A delegada do caso, Lídia Veloso, relatou que o crime é tratado, a princípio, como execução, porque os atiradores mandaram as outras pessoas se afastarem e atiraram somente nas duas vítimas. “Falaram que queriam só eles, mandaram os outros saírem do meio, renderam e atiraram. Por isso trabalhamos com execução”, explicou. Lídia Veloso também comentou que as motivações do crime seguem em investigação, mas adiantou que não se tratou de briga de bar.

“Ainda não sabemos realmente o que motivou os executores. Eles moravam no acampamento, que é uma área invadida. Temos várias linhas de investigação, mas até o momento, nenhuma confirmada”, avaliou a delegada.

A Polícia Militar informou que não foi possível determinar a quantidade de tiros que feriram e levaram à morte os dois integrantes do MST. A delegada Lídia Veloso relatou que em pelo menos uma das vítimas foram três disparos.

Fonte: G1 PB - https://g1.globo.com/pb/paraiba/noticia/2019/05/17/briga-por-extracao-de-areia-motivou-morte-de-integrantes-do-mst-pb-diz-delegada.ghtml

Recomendado para você pelo google

ESPERANÇA

VÍDEO: Presidente da OAB declara que luta pela permanência da Vara do Trabalho de Cajazeiras não acabou

ENTREVISTA

VÍDEO EXCLUSIVO: Governador anuncia obras no Sertão, esclarece polêmicas e fala de relação com Ricardo

A VOLTA?

VÍDEO: Nonato Neto participa do Xeque Mate e responde sobre possibilidade do retorno da dupla Os Nonatos

CURRÍCULO DE VITÓRIAS

VÍDEO: Primeiro coach do Vale do Piancó, policial recorda emocionado os obstáculos que superou na vida