header top bar

section content

Sousa: Sogro do prefeito é agredido a socos e pontapés: “Vagabundos queriam me matar”

O delegado de plantão está realizando todo os procedimentos necessários ao caso. As vítimas sofreram várias lesões. Veja!

Por

05/10/2014 às 16h34

Sogro do Prefeito de Sousa ficou ferido durante a briga (Foto: Charley Garrido)

Quatro pessoas foram conduzidas até a delegacia de Polícia Civil de Sousa por volta das 14:30h deste domingo (05) depois de uma briga em frente à Escola Estadual Izidra pacífico de Araújo, no Núcleo Habitacional I, distrito da cidade de Sousa.

De acordo com informações da Polícia Militar, O engenheiro agrônomo Sebastião Flávio de Araújo, mais conhecido como “Babá”, que é sogro do Prefeito de Sousa, André Gadelha (PMDB), foi agredido a socos e pontapés durante a confusão. O agricultor Iêdo Alves Furtado também saiu com vários ferimentos no rosto.

“Sou delegado do partido, estava representando minha coligação no local de votação, mas ao chegar eu fui covardemente agredido, só não fui linchado graças Deus e a Polícia Militar que chegou na hora. Era um massacre, eles queriam me matar”, disse Sebastião Flávio de Araújo.


                                                O agricultor Iêdo Furtado também saiu ferido durante a briga (Foto: Diário do Sertão)

Durante a confusão foram conduzidos até a delegacia: Emerson Marques de Araújo e Antônio Araújo Pedrosa. Os envolvidos não quiseram se pronunciar sobre o assunto.

As vítimas e os acusados estão prestando depoimento ao delegado de plantão que está realizando os procedimentos necessários ao caso.

Veja vídeo!

?DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:
"AQUI NESSA MESA DE BAR"

VÍDEO: Homenagem a garçons de Cajazeiras no programa Xeque-Mate tem música, drinks e boas histórias

SAÚDE E BEM-ESTAR

VÍDEO: Sangramento nas regiões do reto e do ânus pode ser sinal de doença grave, avisa médico

APOIO DE CRAQUE

VÍDEO: Embaixador do Campeonato Paraibano, Hulk diz que está à disposição para ajudar clubes do Sertão

COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS

VÍDEO: Para advogado da OAB de Cajazeiras, investir em presídios e não em escolas é ‘enxugar gelo’