header top bar

section content

Vereadores batem boca na Câmara de Sousa e presidente manda desligar microfones

Os vereadores Lafayette Gadelha (PT) e Daniel Pinto (PMDB) foram impedidos de falar na Câmara Municipal de Sousa. Ouça aqui

Por

26/09/2014 às 10h50

Assis Estrela, Presidente da Câmara Municipal de Sousa (Foto: Edinho Nunes)

A sessão da Câmara Municipal de Sousa realizada na tarde da última quinta-feira (25) foi marcada mais uma vez por bate-boca entre os vereadores. O vereador Assis Estrela (PDT) que é o presidente da Casa Otacílio Gomes de Sá, desligou os microfones dos demais parlamentares e encerrou a sessão.

O projeto que tramita desde o dia 09, entraria em pauta na sessão seria o “Passe-livre”, que garante a gratuidade para estudantes no transporte público na cidade de Sousa, mas não houve acordo entre os vereadores durante a sessão.

O vereador Aldeone Abrantes (PTB), durante seu discurso, falou que a matéria não poderia ser votada, pois necessitava de ajustes. “É uma tentativa de estuprar o regimento interno dessa casa, não tem ninguém contra essa matéria, mas nós precisamos de algumas informações para votar com responsabilidade”, disse Aldeone.

 

A confusão se estendeu quando os vereadores Lafayette Gadelha (PT) e Daniel Pinto (PMDB) tentaram conversar com a bancada de oposição. Irritado, Assis Estrela, pediu para desligar todos os microfones e terminou a sessão. “Aqui não é ping-pong pra ficar um falando de um lado e depois o outro”, disse o presidente da Câmara.

Ouça abaixo!

DIÁRIO DO SERTÃO

Tags:

Recomendado para você pelo google

ALERTA!

VÍDEO: Xeque Mate recebe bombeiros militares em programa sobre acidentes dométicos e primeiros socorros

DIRETO AO PONTO

VÍDEO: Se reforma da Previdência não cortar privilégios, sociedade deve ‘gritar’ contra ela, diz padre

INFRAESTRUTURA

VÍDEO: Chuvas destroem ruas de Cajazeiras que não são pavimentadas e moradores cobram ação da Prefeitura

VETERANO DA MÚSICA

VÍDEO: Em Cajazeiras, cantor de renome nacional critica sertanejo universitário: “Virou uma baderna”