header top bar

section content

Gravação flagra prefeito vendendo voto para Cássio e ação denuncia crime eleitoral

De acordo com um dos advogados da coligação, Celso Fernandes, a gravação cita nomes de diversas lideranças políticas.

Por

24/07/2014 às 18h48

Cássio está sendo denunciado

A assessoria jurídica da coligação “A Força do Trabalho” protocolou, junto a Polícia Federal nesta quinta-feira (24), grave denuncia sobre esquema de corrupção nas eleições da Paraíba. O esquema envolve compra de apoio político promovido pela coligação “A Vontade do Povo”, encabeçada pelo senador e candidato ao governo, Cássio Cunha Lima; o presidente da Assembleia Legislativa, Ricardo Marcelo; o prefeito de Caiçara, Cícero Francisco da Silva; o vice-prefeito da cidade e quatro vereadores da região.

De acordo com um dos advogados da coligação, Celso Fernandes, a gravação cita nomes de diversas lideranças políticas. “A gravação é contundente, cita nominalmente as pessoas da coligação adversária e cita nominalmente valores de R$ 200 mil e de R$ 600 mil. Os valores pagos pelo suposto apoio tem sido depositado na conta de “laranjas”, afirmou o advogado, que explicou os próximos passos a serem tomados pelo jurídico da coligação. “O primeiro passo é da Polícia Federal, porque compete a Polícia intimar os envolvidos para que prestem declarações. É requerido também que seja aberto um inquérito policial federal por crime eleitoral e que seja remetido imediatamente ao Ministério Público Eleitoral também para a propositura de ação de investigação judicial eleitoral”, explicou o advogado.

O advogado Francisco Ferreira explicou que a gravação realizada pelo jornalista Sales Dantas, é considerada legal do ponto de vista jurídico. “No presente caso, o jornalista Sales Dantes, ao saber que havia uma negociata criminosa de compra de votos em andamento, decidiu comprovar, por conta própria, através de gravação telefônica. A constatação foi que já haviam acertado o valor de 600 mil para comprar todas as lideranças do município. O prefeito achava que estava continuando a negociação com os interlocutores do candidato Cássio Cunha Lima. A Justiça entende que só é ilegal quando nenhum dos interlocutores sabe da gravação”, ressaltou o advogado.

Celso Fernandes lamentou o fato, principalmente porque envolve novamente um político que já foi cassado por crime eleitoral. “Ninguém do jurídico da Coligação A Força do Trabalho vê essa situação com alegria, tão pouco o candidato Ricardo Coutinho e a coligação. É um fato de profunda tristeza para a Paraíba, principalmente por ter vindo de um candidato que foi cassado por crime eleitoral, ou seja, ele é recorrente na prática e isso precisa acabar. Nas eleições em que ele foi cassado a conduta ocorreu e foi comprovada durante o curso do processo. Nesse momento é diferente, nós pedimos que a lisura do pleito seja garantida desde o seu começo. Por isso pedimos que a Polícia Federal e o Ministério Público intervenham no caso, principalmente em virtude da recalcitrância”, finalizou o advogado.

Ouça áudio!

Assessoria

Tags:

Recomendado para você pelo google

RELAÇÃO COM EMPRESÁRIOS

VÍDEO: Prefeito de Cajazeiras não descarta fazer uma reforma tributária e manda recado para ‘algozes’

SERVIÇO MILITAR

VÍDEO: Quase 100 novos atiradores são incorporados ao Tiro de Guerra de Cajazeiras durante solenidade

TRIMESTRE CHUVOSO

VÍDEO: Açude Grande de Cajazeiras sangra pela primeira vez em 2019 e traz esperança para a população

ELITISMO?

VÍDEO: Escolas federais têm segurança, mas as outras são ‘destratadas’, afirma diretor em Cajazeiras