header top bar

section content

Prefeita de Cajazeiras participa de audiência pública que discutiu criação de Universidade do Sertão

A prefeita de Cajazeiras, Denise Albuquerque participou no último sábado (30) de uma audiência pública no Campestre Clube. A assembléia discutiu a criação da Universidade Federal do Sertão, a partir do desmembramento da UFCG. O evento ocorreu graças a uma solicitação da AC3 (Associação dos Cajazeirenses e Cajazeirados) à Câmara Municipal de Cajazeiras. A proposta […]

Por

02/12/2013 às 16h41

A prefeita de Cajazeiras, Denise Albuquerque participou no último sábado (30) de uma audiência pública no Campestre Clube. A assembléia discutiu a criação da Universidade Federal do Sertão, a partir do desmembramento da UFCG.

O evento ocorreu graças a uma solicitação da AC3 (Associação dos Cajazeirenses e Cajazeirados) à Câmara Municipal de Cajazeiras.

A proposta da reunião foi no sentido de intensificar a luta iniciada há três anos para implantação da Universidade Federal do Sertão.

Na oportunidade, a prefeita Denise Albuquerque falou da importância de participar de um evento como este que é fruto de um movimento social. “Enquanto representante do povo desta cidade, devo estar a par dos movimentos e dos anseios da comunidade”, disse ela.

O evento contou ainda com a presença do secretário de Interiorização do Estado, Carlos Antonio e dos secretários municipais das pastas de Educação, Andreia Braga, de Saúde, Henry Witchael, de Articulação Política, Moacir Menezes, de Esporte, Ivanildo Dunga e da Secretaria Executiva de Comunicação, Gilberto Lira.

Da secom

Tags:
MUITO ESTRAGO

VÍDEOS: Chuva com vendaval causa destruição de prédios em Cajazeiras e Sousa e assusta moradores

DE 22 A 27 DE JANEIRO

VÍDEO: Teatro Ica completa 34 anos em Cajazeiras com extensa e diversificada programação cultural

DE 2017 PARA ESTE ANO

VÍDEO: São José de Piranhas tem aumento alarmante de homicídios em 2018; confira balanço da PM na região

VIXE!

VÍDEO: Vidente detalha futuro da imprensa de Cajazeiras e prevê mortes: “Não chega às festas juninas”