header top bar

section content

Ariano Suassuna e Cajazeiras

27/07/2014 às 20h52

Tive o privilégio de conhecer o escritor e poeta paraibano Ariano Suassuna, em 1968, em Recife, quando fui seu aluno num curso de extensão cultural, realizado pelo Curso de História da Universidade Católica de Pernambuco. Foi paixão à primeira vista e desde então fiquei com a liberdade de freqüentar o seu escritório de trabalho e o vi escrevendo o romance a Pedra do Reino e também fui por algumas vezes à sua residência para conversar sobre cultura e como a comida da pensão não era lá muito boa, sempre aproveitava a mesa farta de dona Zélia.

Acompanhei suas ações em favor da cultura brasileira, principalmente o Movimento Armorial, lançado no Recife, quando assisti, em 18 de outubro de 1970, o concerto “Três Séculos de Música Nordestina – do Barroco ao Armorial”, com uma exposição de gravura, pintura e escultura e o que mais me empolgava era o setor musical. Quando tinha conhecimento que ia dar uma palestra/conferência, lá estava eu sentado na primeira fila.

Consegui trazer Ariano Suassuna a Cajazeiras, no ano de 1969, para proferir uma palestra num evento cultural realizado pela Associação dos Universitários de Cajazeiras (AUC) e o auditório do fórum, que era no primeiro andar da prefeitura, ficou completamente lotado e como sempre deu um verdadeiro show, explicando como se inspirou para criar os personagens do seu livro “O Auto da Compadecida.

Em Cajazeiras, passamos quase todo o dia percorrendo as ruas da cidade e me lembro que ao passar em frente onde funcionou a prefeitura de Cajazeiras, até o ano de 1954, na Rua Padre Rolim, se encantou com a arquitetura do prédio e sinalizou: “aqui deveria ser instalado o Museu do Couro”. Vale lembrar que no frontispício do prédio tinha o símbolo da República, construído em alto relevo, que teria levado meses para ser concluído, que o tornava mais bonito ainda. Este monumento histórico de nossa arquitetura foi destruído para dar lugar a uma empresa telefônica que se instalou em nossa cidade e é hoje onde funciona o IPEP. Outra casa que o deixou impressionado foi onde hoje funciona a casa de peças de Assis, em frente a rodoviária velha, que tinha o estilo de um casarão de fazenda, hoje também completamente reformada. 

Ariano, por onde andava, procurava indicar caminhos para a divulgação e preservação das nossas tradições e não o foi diferente com relação a nossa cidade, quando nos sugeriu a criação de um “Museu do Couro” e quem sabe num futuro não tão distante esta sugestão venha a se tornar uma realidade?

No dia seguinte da palestra levei-o, como ele havia nos pedido, à Fazenda Acauã, relicário de suas memórias e que havia pertencido a sua família e que sua mãe foi obrigada a vendê-la depois da morte de seu pai no Rio de Janeiro. E me lembro que fomos numa camioneta de meu pai e na hora de embarcarmos nos deparamos com Ariano subindo na carroceria para viajar. Foi muito engraçado e até difícil para convencê-lo de ir na “boléia”.  

Em 1981, retornando ao Recife, fui seu aluno no Mestrado de História, da Universidade Federal de Pernambuco, onde lecionava a disciplina Cultura Brasileira, uma vez por semana, durante toda uma tarde. Nenhum aluno perdia suas aulas. Encantavam-me a sua sabedoria, senso de humor, simplicidade e humildade.

Foi através de Ariano que aprendi o quanto tem de riqueza a cultura brasileira e o admirava pela defesa que ele fazia de todas as nossas tradições e desenvolveu em mim o orgulho de ser nordestino. 

Tenho anotado em meus alfarrábios muitas frases famosas ditas por ele em suas conferencias e destaco algumas delas: “em redor do buraco tudo é beira”; “a tarefa de viver é dura, mas fascinante”; “que eu não perca a vontade de ter grandes amigos, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas”; arte pra mim é missão, vocação e festa”; “eu digo sempre que das três virtudes teologais, sou fraco na fé e fraco na qualidade, só me resta a esperança”.

Ariano, que foi para nós um exemplo de cidadania, temos o dever, como paraibanos, de reverenciar o brilhantismo de sua existência e a grandeza de sua obra. E a morte, como ele mesmo narrava ser “acidente de percurso”, não arrasta consigo a sua imortalidade, porque ele nasceu para ser eterno.
Viva e muitas palmas à eternidade de nosso Ariano, que já deve estar se apresentando para ser julgado, num cenário igual ao do julgamento de João Grilo, o mais imortal dos personagens do Auto da Compadecida e com certeza ganhará a eternidade dos céus. (Ariano Suassuna *1927 +2014)

Carta a Ariano
O ator Matheus Nachtergaele, que fez o personagem de João Grilo, em uma “Carta para Ariano”, escreveu: “Quem te escreve agora é o Cavalo do teu Grilo. Um dos cavalos de teu Grilo. Aquele que te sente todos os dias, nas ruas, nos bares, nas casas”. “… O Grilo colocou em mim rédeas de sisal, sem forçar com ferros minha boca cansada. Sentou-se sem cela e estribo, à pelo e sem chicote, no lombo dolorido de mim e nele descansou. Não corria em cavalgada. Buscava sem fim uma paragem de bom pasto, uma várzea verde entre a secura dos nossos caminhos…” “… Você Ariano, e teu João Grilo, me levaram para onde há verde gramagem eterna. Fui com vocês para a morada dos corações de gente daqui desse país bonito e duro…”   
 

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br