header top bar

José Antonio

section content

Chuvas

23/01/2016 às 15h32

Por José Antonio

A chuva tem um poder mágico sobre mim. Creio que sou um ser meteorológico. Minhas emoções se aguçam, ficam receptivas e tensas quando chove. Eu gosto de olhar a chuva, de sentir a chuva. Quando a chuva chega pela madrugada, gosto de sair e contemplá-la e fico ouvindo a sua pancada nas telhas e a água a escorrer pelas biqueiras. Tanto gosto da chuva mansa, fininha como as que vêm acompanhadas de relâmpagos e trovões. E o cheiro da terra molhada? Ah! Como me faz bem.

Quando a chuva “me pega” no meio da rua, procuro um abrigo e fico olhando as pessoas atravessando, apressadas, correndo. Uma pessoa andando pela calçada toma um banho de água misturada com lama à passagem de um carro bem perto do meio fio. Tudo indica que o gesto foi de propósito. Nesta ocasião os palavrões vêm logo em seguida e o motorista simplesmente ri.

Nunca perguntei a minha mãe, mas acho que nasci numa noite de muita chuva, anunciada por muitos relâmpagos e trovoadas. Só pode ter sido, porque a chuva faz parte da minha vida, me traz felicidade, ternura e sinto vontade até de fazer poesia, mas me falta o dom.

Será que a chuva não é o céu chorando pelo sofrimento de tantos que passam fome, que vivem na pobreza e que são massacrados pelas injustiças praticadas pelos próprios homens? 

Será que a chuva não é o céu chorando em lugar das pessoas que já não têm mais lágrimas para derramar depois de ter passado tanto dor e muito sofrimento?
Será que as chuvas que vêm acompanhadas de fortes relâmpagos e raivosos trovões, não são para alertar os homens, fazendo um apelo para que possam ser mais humildes, mais humanos, mais cristãos?

Mas é esta água pura que jorra dos açudes do céu que inundam os rios, enchem as barragens, transbordam nas grotas e aumenta a água salgada dos oceanos, que nos servimos dela no dia a dia e sem ela não teríamos condições de sobreviver.

É a água que corre nas biqueiras das casas que faz a alegria da molecada, em dias de boas chuvas, misturando-se meninos e meninas e disputando no empurrão o melhor lugar em baixo dela. Como é bom e gostoso tomar banho de chuva. A água é muita gelada, chega deixa os lábios roxos de frio.

Como é bom e gostoso tomar banho de chuva. É como partilhar das alegrias das nuvens que derramam as águas abundantes para molhar a terra que fará nascerem as sementes e acontecer o milagre da multiplicação. 

Qual é o sertanejo que não gosta de chuva? Qual o homem do campo, que ao plantar a semente no chão, não olha para o céu e não pede chuva “para este sertão sofredor?”

Anos atrás fiz uma pequena barragem numa “garra de terra” que possuo. Na segunda chuva, depois de concluída, arrombou-se. Meus amigos ficaram surpresos com minha felicidade e indagaram: você não está triste? E respondi: prefiro vê-la arrombada pelo volume de água do que seca, pela ausência da chuva. Na noite em que a barragem arrombou, um pluviômetro, que só mede até 135 mm, simplesmente “sangrou”. Não tenho idéia quantos mm deu a chuva que levou a parede do meu açude. Os mais entendidos disseram que a mesma ultrapassou os 200 mm. É provável.

Mesmo quando o céu chora, lágrimas de chuva, mesmo quando os trovões se esgoelam de raiva e os relâmpagos com sua virulência enviam os seus raios em busca da terra, depois de tudo vem a bonança, vem o sol, vem o sorriso do homem do campo quando vê a semente que plantou nascer e frutificar.

Depois da chuva o vento sussurra e se acalma. As águas voltam ao seu leito normal, tudo é silêncio e melancolia. Mesmo assim voltamos a plantar os olhos no céu aguardando novas chuvas.

É assim a vida do sertanejo, que durante doze meses, só vê chuva num período pequeno do ano, quando ela vai embora já fica com saudade e aguardando o ano novo.

E a chuva continua rolando, como lágrima em nossa face, mas o céu não está chorando… 

1958?
Os estudiosos alertam que o ano de 2016 será ruim de chuva e que poderá ser igual ao ano de 1958, quando foi registrada uma das secas do nordeste brasileiro. Prevê-se que o total de chuva não ultrapassará os 400 mm. Como todas as previsões estão sendo “desmentidas”, existe a expectativa que esta também seja. 

José Antonio

José Antonio

Contato: altopiranhas@uol.com.br

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!

José Antonio

José Antonio

Contato: altopiranhas@uol.com.br