header top bar

section content

Os avanços de Cajazeiras no setor imobiliário

03/06/2014 às 11h03

A cada dia que passa me impressiona o crescimento de Cajazeiras no setor imobiliário. Em recente pesquisa, consegui atualizar os meus dados sobre os loteamentos já devidamente aprovados e os em fase de estudos, na Secretaria de Planejamento, e tomei um grande susto com o número já existente.

Já são 38 loteamentos e este número cresceu de forma mais intensa depois do ano de 2007, com o lançamento do Residencial Alto da Colina, de João Batista Rolim Lopes, com 227 lotes, que há 14 anos o mercado permitia que estes fossem vendidos para serem pagos em até três vezes, enquanto nos dias atuais, talvez, com a grande oferta no mercado, um novo loteamento, o Luar de Cajazeiras, com 594 lotes, em frente ao de João Batista, na mesma Estrada do Amor, que deverá ter seu lançamento agora no mês de junho, a modalidade de pagamento poderá ser feita, prevê-se, em até 120 meses.

A Zona Norte da cidade é a que tem sido mais privilegiada com a implantação de novos loteamentos, estando lá o maior de todos: Cristal I e II, com 1.229 lotes, de Dorian Gonçalves da Silva e Vicente Pinheiro Araujo; o Colinas do Oeste, de Zerinho Rodrigues com 581 lotes; o Luar Campus Universitário com 809 lotes e o Luar Cidade Universitária com 603 lotes.

Ainda na Zona Norte, está em plena fase de implantação, o Loteamento Joca Claudino com 693 lotes, que pertence aos herdeiros de seu Joca e Dona Francisquinha, que fica num altiplano, onde se descortina uma bela vista da cidade.

O loteamento lançado em Cajazeiras que teve um grande sucesso de vendas foi o Brisa Leste I, com 465 lotes, às margens da BR 230 e o Engenheiro Alex Cartaxo já está anunciando o Brisa Leste II, com 696 lotes, onde estará sendo doado ao Instituto Federal de Educação da Paraíba 40 mil metros quadrado de área e nele será construído um Núcleo para os Cursos de Engenharia da Instituição.

Mas o número que mais me impressionou foi o do total de lotes, que somam 9.897, isto mesmo: nove mil, oitocentos e noventa e sete, sem incluir neste número o famoso loteamento Paraíso Tropical, iniciativa pioneira em Cajazeiras, mas hoje é uma área invadida, conhecida como “Campo do Vaqueiro” e  se constitui numa grande questão a ser resolvida na justiça.

O avanço imobiliário e o espaço verde
Estou solicitando, junto a prefeitura, uma cópia de cada loteamento para um estudo sobre as áreas verdes que estão sendo, segundo o que determina a legislação, preservadas, porque a história nos mostra que as grandes praças que existem em Cajazeiras foram conquistas do inicio do século passado, tendo como exemplo: a Praça Nossa Senhora de Fátima, a Praça do Dom João da Mata, que o prefeito Otacílio Jurema “engoliu” a metade, em 1954, para construir a prefeitura, a Praça Cardeal Arcoverde, a Praça Dom Moisés Coelho,  o espaço do Xamegão, que a prefeitura já “engoliu” também uma parte para a construção de uma academia e a Praça do Trabalhador que foi totalmente “engolida” pelo Sindicato Rural e restou apenas um pedaço de uma calçada mais larga. 

Em frente da Rodoviária, na Avenida Comandante Vital, tem um espaço mais generoso, conhecido como Praça do Skate. O Balde do Açude Grande, à margem esquerda foi construída a famosa Praça do Leblon. Por milagre escapou da sanha imobiliária a Praça do Pirulito, hoje ocupada por dois bares e bem próximo está a Praça Cristiano Cartaxo que se resume a dois pés de cajá e um banco.

Nos bairros, a mais famosa praça é a Camilo de Holanda, que teve também seu espaço diminuído com a construção da Igreja São João Bosco e na Zona Norte tem a Praça do Ronaldo. Na Vila Nova restou um espaço, que não é tão grande, mas tem a sua praça. 

Mas onde estão as outras praças da cidade? No Bairro da Esperança a molecada joga bola no meio da Rua João Teberges, nas Casas Populares o que seria uma praça tomaram todo o espaço para construir um Posto de Saúde e duas grandiosas caixas-d’água.
     
A cidade clama por mais praças com espaços mais generosos e que estas áreas verdes que deverão ser preservadas não sejam o lugar por onde as águas vão escoar, ou nos buracos, ou nas pedreiras. 

Sempre ouvi isto, desde menino: “vamos passear na Praça João Pessoa”, mas que praça, se nela contam-se nos dedos quantas árvores sobraram e quantos bancos inteiros existem?  

Que nos novos loteamentos tenhamos espaços destinados a grandes e belas praças em nossa cidade.

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan

José Antonio

José Antonio

Professor Universitário, Diretor Presidente do Sistema Alto Piranhas de Comunicação e Presidente da Associação Comercial de Cajazeiras.

Contato: altopiranhas@uol.com.br