header top bar

Wlisses Estrela

section content

Sertão, sertões da Paraíba

29/04/2016 às 15h33 • atualizado em 29/04/2016 às 17h26

Muitos etimólogos têm opinado que a palavra sertão vem de um deserto grande, um espaço, portanto, despovoado, desabitado. O sentido mais provável pelo qual tenham designado o sertão é pelo fato de ter se aplicado a regiões interiores de determinados territórios. Ao passo em que o colonizador caminhava para o interior do território, ele ia chegando ao chamado sertão. Nesse sentido, o sertão, pode ser concebido como região interior, prevalecendo para este termo o sentido de localização.

A ideia de sertão era uma forma de nomear o desconhecido, como um lugar inóspito, uma terra a desbravar, uma região habitada por selvagens bárbaros. Ou seja, o litoral ocupado pela colonização seria o lócus da civilização, enquanto as áreas distantes e ainda não conhecidas e colonizadas seriam representadas pela ideia de sertão.

No século XVI, o sertão da Paraíba era considerado pelos governantes como a parte da capitania localizada após a Serra da Cupaoba (atual Serra da Raiz), a região mais afastada da zona litorânea. Assim, no momento da interiorização, o sertão representava também, toda uma área ainda não ocupada pela colonização que equivalia no século XVII às mesorregiões que conhecemos hoje como Cariri, Seridó, Brejo e Curimataú, além, da própria mesorregião denominada Sertão (GUEDES, 2006).

O colonizador, ao mesmo tempo em que ia desbravando as terras do interior ia construindo aquele novo espaço através de sua narrativa,apresentando lugares, serras e rios. Podemos perceber isso nos registros de cronistas viajantes, em cartas governamentais e concessões de sesmarias.

Mapa Original de Wilson Seixas sobre as vias de penetração no sertão da Paraíba e seus limites territoriais

Mapa Original de Wilson Seixas sobre as vias de penetração no sertão da Paraíba e seus limites territoriais

De acordo com Seixas (2004), o que impediu o avanço das entradas a esta região foram às forças de resistência organizadas pelos indígenas do gentio tapuia, forças estas que só vieram a ser dominadas, quando da criação de postos militares naquela região.

Somente após a restauração do domínio português, na segunda metade do século XVII, é que começou a penetração do interior paraibano, sendo a Casa da Torre da Bahia a primeira a “ocupar as terras do Piancó, Piranhas e Rio do Peixe, a partir de 1664, quando o coronel Francisco Dias d’Ávila, transpondo o S. Francisco, subiu o rio Pajeú, […] daí se comunicando com a bacia do Piranhas” (SEIXAS, 2004: 156-157).

Outros colonos adentraram ao território paraibano por outras vias de acesso, como o sertanista baiano Antônio de Oliveira Ledo, que fundou em 1670 “a aldeia de Boqueirão”, tendo a “sua primeira situação e aldeia no sertãodos carirys, que chamam de fora, estando a uma distância “de umas trinta legoas” da cidade da Paraíba.

Uma nova delimitação para o espaço sertanejo pode ser percebida, quando em 1688 é criado um novo posto de mais alta categoria, o de capitão-mor das fronteiras das Piranhas, Cariris e Piancós dos sertões da Capitania da Paraíba, sendo promovido Constantino de Oliveira Ledo e depois o seu irmão Teodósio de Oliveira Ledo.

Nestes sertões da capitania da Paraíba, o sertão das Piranhas ou do Piancó, possuía uma imensa área que se estendia “desde o sertão do Cariri Velho, na Paraíba, até a vila do Icó e o sertão do Jaguaribe, no Ceará; desde o sertão do Pajeú, em Pernambuco, até o vale do Jucurutu, no Rio Grande do Norte” (SEIXAS, 2000:108).

Essa grande extensão resultou em muitas dificuldades no que concerne ao desbravamento do próprio espaço sertanejo. Além daquelas impostas pelos próprios nativos indígenas, pelas condições difíceis de vida e tantas outras. Um território extenso que abarcava várias ribeiras, abundantes de água pelo inverno e que por muito tempo delimitaram o sertão em sertões do rio do Peixe, das Espinharas, doSabugi, do Seridó e do Piancó. Vários sertões dentro de um mesmo sertão.

Referências
GUEDES, Paulo Henrique Marques de Queiroz. A colonização do sertão: agentes produtores do espaço e contatos interétnicos (1650-1730). Dissertação de Mestrado em Geografia, UFPB, CCEN, PPGG. João Pessoa: 2006.

SEIXAS, Wilson.O velho arraial de Piranhas (Pombal) 2. ed.rev. ampl. João Pessoa: Grafset, 2004.

Wlisses Estrela

Wlisses Estrela

Contato: wlisses_net@hotmail.com

ENTREVISTA BOMBÁSTICA

VÍDEO: Declarações polêmicas e provocações marcam o programa Xeque-Mate com o ex-prefeito Carlos Antônio

VÍDEO

Ex-aliado diz que prefeito de Cajazeiras forma “organização criminosa” e aponta gordas gratificações

DIÁRIO ESPORTIVO

Confira o resumo da rodada no programa Diário Esportivo com Luiz Júnior

XEQUE MATE

VÍDEO: Carlos Antonio declara pela 1ª vez publicamente apoio a Júnior Araújo; “é cancela fechada”

Wlisses Estrela

Wlisses Estrela

Contato: wlisses_net@hotmail.com