header top bar

section content

Grupos com cerca de 15 homens destroem bancos e Correios em duas cidades da PB

Fortemente armados, eles provocaram tiroteios e fugiram espalhando grampos pelo caminho

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

28/05/2016 às 12h04

Em Sumé, banco foi destruído (foto: whatsapp)

Dois bancos e uma agência dos Correios foram detonados nas cidades de Sumé e Jericó, no interior da Paraíba, durante a madrugada deste sábado (28). Em cada ação, cerca de 15 homens fortemente armados explodiram os locais e ainda provocaram tiroteio nas duas cidades.

Em Sumé, no Cariri do estado, a 264 km de João Pessoa, o grupo chegou em dois carros, uma Hilux preta e uma Strada branca, e explodiram a agência do Banco do Brasil da cidade. Segundo a polícia, os caixas haviam sido abastecidos nessa sexta-feira (27). Os criminosos fugiram em direção a cidade próxima de Serra Branca, atirando e deixando grampos pelo caminho.

Em Jericó, a 400 km de João Pessoa, no Sertão do estado, outro grupo de bandidos explodiu um terminal do Bradesco e uma agência dos Correios, cerca de uma hora depois da ação em Sumé. Segundo a polícia, havia apenas dois policiais militares na cidade, que foi tomada por tiros efetuados pelos bandidos. Os criminosos fugiram espalhando grampos pelo caminho e deixando munições deflagradas.

Até a manhã deste sábado (28), ainda não havia informações sobre suspeitos presos.

O Sindicato dos Bancários da Paraíba contabiliza 44 ataques contra agências, correspondentes e terminais no estado, entre assaltos, explosões e saidinhas.

Portal Correio

OPINIÃO CONTUNDENTE

EM DECADÊNCIA?: Ex-radialista compara as rádios de Cajazeiras a ‘relacionamento que perdeu o sabor’

QUER APROVAÇÃO?

ENEM 2018: Cursinho inova em Cajazeiras com grande equipe de professores e dinâmica moderna de ensino

PARA A ETERNIDADE

VÍDEO: Programação de 70 anos do Atlético começa com exposição histórica que promete encantar Cajazeiras

ALFINETOU

VÍDEO: Aliado do prefeito destaca asfaltamento de ruas de Cajazeiras e alfineta grupo de Carlos Antonio