header top bar

section content

Pai que fantasiou filho negro de macaco no carnaval recebe mensagens com ameaças nas redes sociais

Ator se vestiu de Aladdin enquanto o menino foi caracterizado como Abu

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

12/02/2016 às 13h11

A fantasia de carnaval gerou polêmica nas redes (Foto: Reprodução)

Desde a ultima terça-feira (9) de Carnaval foi longa para o ator Fernando Bustamante, morador de Belo Horizonte. Ele perdeu o sono após se tornar alvo de uma polêmica na web e chegou a receber várias ameaças por mensagens depois que uma foto de sua família foi divulgada nas redes sociais. Na imagem, o artista aparece vestido de Aladdin, enquanto sua mulher está fantasiada de Jasmine e o filho do casal está caracterizado como macaquinho Abu, melhor amigo do personagem

Depois do ocorrido, Bustamante utilizou seu perfil no Facebook para rebater as acusações de racismo contra o próprio filho. No texto, ele alega que não teve a intenção de ofender ninguém com a escolha da fantasia do filho e diz que enxerga o personagem de Abu não como um macaco, mas sim como o melhor amigo de Aladdin. Na última quarta-feira (10), no entanto, o artista decidiu novamente utilizar o canal para desabafar sobre o caso e afirmou que mal conseguiu dormir “tentando digerir a enxurrada de informações e mensagens de amor e ódio”

Na publicação, ele conta que levantou às 7h para começar o último dia de Carnaval ao lado do filho. O garotinho brincou na piscina durante o dia, acompanhado de vários amiguinhos. Somente mais tarde, quando colocou o menino para dormir, Bustamante e a mulher tiveram tempo para conversar sobre o que tinha acontecido. Ele destacou os questionamentos que os fizeram refletir durante a discussão.
— Será que o racismo estava no fato do Mateus ser um negro fantasiado de macaco ou o fato de eu ser um pai branco? Se eu fosse um pai negro e o Mateus, o Abu, estaria tudo certo? Ou se o Abu fosse um filho branco também não haveria problemas?

O artista encerrou o desabafo relatando que foi impossível ler e responder todas as mensagens recebidas. Segundo ele, “a maioria confortava o coração, outas suscitavam a reflexão. Muitas pareciam aquelas homenagens póstumas. A sensação de que alguém morreu…na verdade não foi alguém, foi algo…o idealismo é utópico! Agradar a todos também”

Confira o texto na íntegra:
“Só consegui dormir por volta de 4h da manhã, tentando digerir a enxurrada de informações e mensagens de amor e ódio. Às 7h Mateus acordou e quando ele acorda é hora de levantar e preparar o café da manhã. Já tínhamos planejado desde sempre que passaríamos a terça de Carnaval em casa. Impossível conversar sobre o ocorrido na frente do pequeno. Estava muito cansado e pedi a Cynthia para levá-lo na piscina e desmarcar um churrasco com os moradores do prédio. Não estávamos no clima. Assim foi feito. Tentei descansar, mas eram tantas mensagens, que era impossível relaxar.

Algumas ameaçavam a minha integridade física e me assustaram. Parecia que meu post com o pedido de desculpas não foi suficiente para chegar em todas as pessoas que postaram mensagens de ódio.

Resolvi dar três entrevistas para reverberar ainda mais a minha resposta, embora tivesse certeza que era impossível reverter a situação. Mateus chegou e foi dormir. Durante a última entrevista, ele acordou e agora era a minha vez de cuidar dele. Cynthia saiu para comprar o almoço e nós fomos andar de bicicleta no playground do prédio. Almoçamos e pedi a Cynthia que chamasse nosso afilhado para brincar com Mateus. Ele chegou e o clima ficou bem alegre. Muitas crianças na piscina comendo pipoca e se divertindo. Mateus tentou pular na piscina sem boia e eu estava de prontidão. As crianças foram embora, fiquei brincando com ele no parquinho e Cynthia foi fazer o jantar. Depois do jantar Cynthia foi comprar um vinho e eu coloquei o Mateus para dormir. Só então conseguimos conversar sobre as mensagens de reflexão recebidas. A que mais chamou a atenção:

– Será que o racismo estava no fato do Mateus ser um negro fantasiado de macaco ou o fato de eu ser um pai branco? Se eu fosse um pai negro e o Mateus o Abu estaria tudo certo? Ou se o Abu fosse um filho branco também não haveria problemas?

Já era impossível ler e responder todas as mensagens. A maioria confortava o coração, outras suscitavam a reflexão. Muitas pareciam aquelas homenagens póstumas. A sensação de que alguém morreu… Na verdade não foi alguém alguém… foi algo… o idealismo é utópico! Agradar a todos também.” (sic)

R7

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!