header top bar

section content

Galáxias se chocam e deixam buraco negro “nu”

O objeto fora do padrão foi encontrado com o radiotelescópio americano VLBA. Com este equipamento, os astrônomos estão realizando um estudo de mais de 1,2 mil galáxias

Por Estagiário

03/11/2016 às 09h48

Em um projeto que busca por buracos negros supermaciços, com massas de milhões a bilhões de vezes a do Sol e que não estejam no centro de galáxias, astrônomos encontraram uma destas estruturas praticamente “nua”, algo nunca antes visto.

O buraco negro fora do padrão foi chamado de B3 1715+425. Ele estava cercado por uma galáxia muito menor e de brilho bem mais tênue do que o esperado. O objeto estava se afastando a alta velocidade do núcleo de outra galáxia muito maior, deixando um rastro de gás no caminho.

De acordo com os astrônomos, o objeto ocupava o centro de uma galáxia num aglomerado a mais de 2 bilhões de anos-luz de distância da Terra que atravessou parte de uma galáxia maior, perdendo no caminho quase todas as estrelas e material que o circundavam e emergindo do outro lado a uma velocidade de mais de 7,2 milhões km/h.

Segundo publicado pelo O Globo, após o encontro, o que sobrou da galáxia menor foi um disco irregular com um diâmetro de apenas 3 mil anos-luz.

O buraco negro “nu” foi encontrado com o radiotelescópio americano VLBA. Com ele, os astrônomos começaram um estudo de mais de 1,2 mil galáxias anteriormente identificadas como “suspeitas” de abrigarem buracos negros supermaciços em seu interior.

Notícias ao Minuto

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ENTRETENIMENTO

Maria Calado na TV com os integrantes do espetáculo “Trinca mas não quebra” e o cantor Lucas Soares