header top bar

section content

Cartão de crédito: saiba o que muda com as novas regras do rotativo

Objetivo das novas regras é evitar o endividamento do consumidor, que paga altas taxas quando não quita o valor integral da fatura no vencimento

Por Ana Maria

30/01/2017 às 18h30 • atualizado em 30/01/2017 às 17h46

© Reprodução

As novas regras para utilização do crédito rotativo do cartão entram em vigor no dia 3 de abril, de acordo com a Folha de S. Paulo. O objetivo das mudanças é evitar o endividamento do consumidor, que paga altas taxas quando não quita o valor integral da fatura no seu vencimento. Os juros aplicados sobre o valor remanescente multiplicam a dívida em pouco tempo. Para evitar isso, após a mudança, o valor será parcelado pelo banco automaticamente, a taxas bem mais baixas.

Saiba o que muda e como utilizar as novas regras a favor do seu bolso.

Por que o juro do cartão de crédito é tão caro?

O crédito rotativo é uma linha pré-aprovada, disponibilizada para emergências. Como o risco de calote é maior, os bancos precisam fazer uma reserva para cobrir os casos de inadimplência. E isto aumenta os juros.

Depois de quanto tempo a minha dívida será automaticamente parcelada pela instituição financeira?

Os clientes que não pagarem o valor integral da fatura do cartão poderão utilizar o crédito rotativo por no máximo 30 dias. Passando este prazo, a dívida será parcelada a taxas mais baixas. Como a medida entra em vigor no dia 3 de abril, os parcelamentos começarão a acontecer já no começo de maio.

Quais serão as características do parcelamento?

As regras serão estabelecidas por cada instituição financeira. No geral, o cliente poderá escolher em quantas vezes quer pagar. Os bancos deverão divulgar as suas condições de parcelamento e enviar os novos contratos dos cartões de crédito até março. Se o cliente não concordar com as condições, poderá cancelar o cartão e buscar por outro que mais se adeque às suas necessidades.

O parcelamento será automático ou tenho que solicitar?

Será automático. Aliás, é esta a principal mudança. Atualmente, os clientes já têm a opção de parcelar a dívida, mas acabam não aderindo ao parcelamento na esperança de conseguir quitar o montante pouco depois. No entanto, como o valor residual é submetido a altas taxas, o pagamento se torna, muitas vezes, inviável.

E se eu não quiser parcelar?

Terá de pagar a fatura integralmente dentro de 30 dias do seu vencimento.

Posso escolher a linha de crédito que quero utilizar?

Vai depender do banco. Contudo, se o cliente optar por um consignado ou qualquer outra linha de crédito pessoal, já pode fazê-lo como funciona hoje. Basta procurar o banco para solicitar um empréstimo, antes que a dívida do cartão seja parcelada automaticamente, e usar o valor para pagar a fatura.

Poderei usar o crédito rotativo novamente se estiver com um parcelamento ativo?

Sim, o crédito rotativo continuará disponível para os valores não parcelados. Ou seja, se o cliente não pagar o parcelamento, a dívida não será incluída no rotativo. Então, o cliente terá de pagar a parcela, mais, ao menos, 15% do valor da fatura.

O que acontece se eu não conseguir pagar o parcelamento?

Será considerado inadimplente e terá o cartão bloqueado.

Quais as vantagens da medida?

Para os consumidores, a dívida para de crescer, facilitando o pagamento. Para os bancos, cai o risco de calote, que é exatamente o que torna o crédito rotativo mais caro.

Notícias ao Minuto

'AULÃO SOLIDÁRIO'

VÍDEO: Ordem DeMolay de Cajazeiras promove aulão gratuito preparatório para o ENEM; veja como participar

ENTRETENIMENTO

Maria Calado na TV com os integrantes do espetáculo “Trinca mas não quebra” e o cantor Lucas Soares

ALÍVIO

VÍDEO: Presidente da OAB de Cajazeiras afirma que a Comarca de Bonito de Santa Fé não será mais fechada

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa com a participação dos membros da Igreja Rei dos Reis