header top bar

section content

Preço da gasolina dispara durante desabastecimento em postos da Paraíba e atinge R$ 4,15

Postos de João Pessoa estão sem combustível desde o feriado de Natal. Abastecimento só deve ser normalizado na quarta-feira (30), prevê sindicato.

Por

28/12/2015 às 11h52

Preço da gasolina dispara durante desabastecimento em postos

O desabastecimento que atingiu os postos de combustíveis de João Pessoa durante o feriado de Natal, na sexta-feira (25), fez com que o preço do combustível chegasse a R$ 4,15, como flagrou a TV Cabo Branco nesta segunda-feira (28). A relação entre a falta de combustível e o aumento no preço foi feita pelo Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Derivados de Petróleo no Estado da Paraíba (Sindipetro-PB). Segundo o presidente da entidade, Omar Hamad, o abastecimento dos postos só deve ser normalizado na quarta-feira (30).

Sobre a alta, Omar destaca que a lei da oferta e da procura fez com que alguns proprietários subissem temporariamente o preço do combustível. Antes da falta de combustível nos postos, os preços da gasolina comum encontrados na capital paraibana variavam entre R$ 3,25 e R$ 3,61, de acordo com uma pesquisa feita pela Secretaria Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon-JP) no dia 10 de dezembro. Nesta segunda-feira (28), uma equipe da TV Cabo Branco encontrou postos vendendo o combustível a preços variando entre R$ 3,79, no bairro do Cuiá e R$ 4,15, em um posto em Mangabeira.

No dia do feriado, o sindicato informou que o desabastecimento aconteceu por causa de um atraso na chegada do navio que transporta os combustíveis. De acordo com Omar Hamad, o navio deveria ter atracado no Porto de Cabedelo na quarta-feira (23). “A informação que temos é de que ele deve chegar nesta terça-feira (29) e a partir da quarta-feira o abastecimento será normalizado. Acreditamos que os preços nos postos que subiram também devem cair conforme o combustível volte a chegar nos postos”, concluiu Hamad.

Segundo o presidente do Sindipetro-PB, o aumento do preço acontece apenas em alguns pontos da cidade, mas que a maioria dos postos não alterou o valor do produto. “Os postos que possuem bandeira não tiveram seu abastecimento comprometido e o preço continua do mesmo jeito. O que aconteceu em alguns postos é que com a falta de produto, quem não tem o combustível ou quem tem muito pouco, está valorizando mais seu produto e por isso os preços subiram nestes locais”, explicou.

Hamad comenta ainda que a questão do aumento dos preços é livre e que os empresários é quem devem resolver qual o preço que vai praticar dentro do estabelecimento comercial. “O sindicato não interfere de forma alguma em relação ao preço. O comerciante opita pelo preço que quiser, não há uma orientação, por parte do sindicato, sobre qual preço deve ser praticado”, comenta.

Por nota, o Procon-JP informou que uma equipe do órgão vai ser reunida para analisar com calma o que aconteceu. O secretário Helton Renê disse que a falta de gasolina em alguns postos não pode justificar o aumento, e que os postos serão notificados e chamados para explicar a alta nos preços.

Do G1PB

ALÍVIO

VÍDEO: Presidente da OAB de Cajazeiras afirma que a Comarca de Bonito de Santa Fé não será mais fechada

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa com a participação dos membros da Igreja Rei dos Reis

CADASTRAMENTO

VÍDEO: Prazo final para biometria na região de Catolé do Rocha é antecipado, e Justiça alerta eleitores

MITO DA INTERNET

VÍDEO: Fenômeno Gleyfy Brauly bate recorde de audiência no Xeque-Mate e canta sucessos no ‘imbromation’