header top bar

section content

Ex-catadora acha R$ 250 mil no lixo, devolve e trabalha como modelo, mas recebe R$ 300 por mês

Ana Maurícia dos Santos Cruz, de 23 anos, não tem emprego fixo e faz bicos para ajudar família

Por

22/05/2015 às 08h30

Modelo honesta ganha R$ 300 (Foto: Reprodução/ Shopping North)

A ex-catadora de lixo que ficou famosa ao devolver um cheque no valor de R$ 250 mil ao Hospital do Câncer em Barretos, no interior de São Paulo, estreou como modelo em uma campanha para o Dia dos Namorados de um shopping da cidade. Apesar do trabalho em frente às câmeras, a jovem relatou ao R7 que continua enfrentando dificuldades no seu dia a dia.

Em janeiro desde ano, Ana Maurícia dos Santos Cruz, de 23 anos, trabalhava como catadora de lixo quando encontrou um cheque de doação destinado ao hospital. A moça devolveu a quantia e recebeu a proposta de trabalhar como copeira na instituição.

Como já havia voltado a estudar no período noturno, a moça desistiu da vaga porque não conseguiria conciliar os estudos com o trabalho.

— Eles ofereceram [a vaga], que era das 16h às 22h, e eu não poderia aceitar esse horário porque tinha voltado a estudara à noite. E o hospital fica longe [da minha casa], do outro lado da cidade.

A jovem mora com a mãe dona de casa, com o pai aposentado e com o filho Maurício, de quatro anos. Ela também não recebe pensão do pai do garoto, que está preso. Desde que recusou a proposta do hospital, Ana está sem emprego fixo e faz bicos para ajudar nas despesas da casa.

— Cuido da minha sobrinha quando minha irmã vai trabalhar e passo roupa para fora. Por mês, acho que ganho uns R$ 300 no máximo.

No início deste mês, a ex-catadora recebeu um convite para participar de uma campanha para o Dia dos Namorados do Shopping North, de Barretos, cujo cachê foi de R$ 250. Ana espera receber mais convites, mesmo não se considerando uma modelo.

— Se me chamarem, eu faço sim.

Foram as dificuldades em conseguir um emprego fixo que a atraíram para a reciclagem de lixo, depois de procurar trabalho como vendedora.

— Eu entrei porque precisava do dinheiro. Era o único que me pegou. As lojas não tinham me aceitado.

Na época em que trabalhava como catadora, ela ganhava R$ 240 por semana, mas descarta voltar a catar lixo porque o trabalho era muito pesado.

Agora, a ex-catadora pretende continuar estudando. Ana quer terminar o Ensino Médio até o final do ano. Como ganhou uma bolsa de estudos, ela vai começar um curso de enfermagem em 2016.

R7

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa com a participação dos membros da Igreja Rei dos Reis

CADASTRAMENTO

VÍDEO: Prazo final para biometria na região de Catolé do Rocha é antecipado, e Justiça alerta eleitores

MITO DA INTERNET

VÍDEO: Fenômeno Gleyfy Brauly bate recorde de audiência no Xeque-Mate e canta sucessos no ‘imbromation’

CALDEIRÃO POLÍTICO

VÍDEO: Aliado releva que dois vereadores de oposição estão rasgando elogios ao prefeito Airton Pires