header top bar

section content

Propietários de veículos em Cajazeiras pagam até R$ 1,24 de impostos na gasolina

Alguns dos impostos dos combustíveis foram criados com caráter temporário, mas depois mudaram de nome e continuaram em vigor se acumulando.

Por

26/05/2009 às 07h30

A carga tributária da gasolina corresponde a 48% do preço cobrado ao consumidor nos postos de combustíveis em Cajazeiras. Cinqüenta anos atrás, quando a Petrobras foi criada, os impostos correspondiam a apenas 4,8% dos preços na bomba. O levantamento foi feito pela Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e Lubrificantes (Fecombustíveis).

Hoje a gasolina é vendida em Cajazeiras até a R$ 2,59, enquanto que em João Pessoa, os consumidores encontram o combustível há R$ 2,02, uma diferença de R$ 0,57.

Caso o governo implantasse uma política de redução dos impostos e a gasolina fosse isenta, poderia ser vendida em Cajazeiras ao preço de R$ 1,35, já em João Pessoa, poderia ser vendida há R$ 0,78, uma redução que faria uma enorme diferença no bolso dos consumidores, e quem sabe poderia ser mais uma forma de incentivar a venda de automóveis.

Alguns dos impostos dos combustíveis foram criados com caráter temporário, mas depois mudaram de nome e continuaram em vigor se acumulando.

Em 1953, apenas o Imposto Único vigorava sobre o preço da gasolina. A cobrança era de 4,8% do valor de revenda. Em 1965, o governo instituiu o Fundo de Unificação de Preços (FUP), que vigorou até 1997, com arrecadação destinada à Petrobras.

No ano de 1977, foi criado o PIS (Programa de Integração Social), cuja taxa inicial era de 0,2% em cada elo da comercialização do combustível. Em 1982, foi instituída a Cofins (Contribuição para o financiamento da Seguridade Social). Nessa época, a carga tributária já equivalia a 28,45% do preço da gasolina nos postos.

Alta carga tributária leva à sonegação

Entre 1986 e 1988, o governo estabeleceu um empréstimo compulsório de 20% sobre o preço da bomba. Foi a Constituição Federal de 1998 que extinguiu o Imposto Único e possibilitou a cobrança de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e o Imposto de Venda no Varejo ao Consumidor (IVVC).

Quando o ICMS foi implementado, a alíquota era de 18%. Agora, varia até 31%. Já o ICMS do diesel fica entre 12% e 25%.

O problema, avalia, é que quanto mais alta a carga tributária, maior a sonegação. Segundo o executivo, os grandes sonegadores atualmente são algumas refinarias e as distribuidoras de combustíveis, responsáveis pela arrecadação:

– Hoje, essa sonegação acontece por meio de adulteração ou contrabando de produtos. Encontramos combustível sendo vendido a um preço muito abaixo o seu custo real.

JOSELITO FEITOSA
Da Redação do Diário do Sertão

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de água da vida e o Pr. Nilton

ENTREVISTA BOMBÁSTICA

VÍDEO: Declarações polêmicas e provocações marcam o programa Xeque-Mate com o ex-prefeito Carlos Antônio

VÍDEO

Ex-aliado diz que prefeito de Cajazeiras forma “organização criminosa” e aponta gordas gratificações

DIÁRIO ESPORTIVO

Confira o resumo da rodada no programa Diário Esportivo com Luiz Júnior