header top bar

section content

Estudioso revela que janeiro, março e abril serão os mais chuvosos e açudes receberão grandes recargas

Segundo as previsões do estudioso, depois de uma longa e dramática sequência de anos com precipitações escassas e irregulares, finalmente vai chover.

Por Luzia de Sousa

27/12/2017 às 19h45 • atualizado em 28/12/2017 às 08h16

Previsão de mais chuva no Nordeste brasileiro (Foto: Cavalcanti Júnior)

O pesquisador em climatologia da cidade de Santa Cruz, Sertão da Paraíba, Ricardo César Alves de Andrade disse esta semana que os seis anos com invernos irregulares e chuvas abaixo da média no semiárido nordestino chegará ao fim. Ele prevê chuvas fortes já no mês de janeiro de 2018.

Segundo as previsões do estudioso, depois de uma longa e dramática sequência de anos com precipitações escassas e irregulares, finalmente vai chover o suficiente para por fim excepcional crise hídrica que assola o semiárido do Nordeste há seis anos.

+ VÍDEO: Chuva chega a Cajazeiras banhando as ruas da cidade e deixa população cheia de esperança

A expectativa é que as chuvas cheguem fortes e abrangentes em todo estado do Nordeste já no próximo mês de janeiro em decorrência da atuação de sistemas meteorológicos de grande escala com o Vórtice Ciclone e a Zona de Convergência Intertropical.

Para Ricardo Alves será no outono, especialmente ao longo dos meses de março e abril que as chuvas deverão se intensificar sobre o nordeste brasileiro tornando-se mais frequentes e prolongadas, ideais portanto, para a recuperação do volume dos grandes açudes e barragens do interior da região, que atualmente se encontram em níveis críticos com pouquíssima água armazenada em seus leitos.

O Retorno das chuvas em volume e intensidade suficientes para encerrar a mais prolongada seca de que se tem notícia no semiárido brasileiro será possível devido a uma grande mudança na circulação dos ventos sobre a região intertropical do planeta. Nesse novo padrão atmosférico estabelecido ao longo dos últimos meses observa-se por exemplo a predomínio da circulação anticiclonal (altas pressões) sobre o Pacífico Tropical Sul adjacente a América do Sul. A tendência é que a partir de janeiro o núcleo dessa circulação avance sobre a porção oeste do continente sul-americano, transfigurando-se em Alta da Bolívia e permitindo assim, a atuação bem configurada do Vórtice Ciclone sobre o Nordeste Brasileiro.

Previsão é de muita chuva para a região nordestina

Segundo Ricardo Alves tem-se observado desde o começo de outubro um progressivo aumento da pressão atmosférica sobre a região do Atlântico Tropical Norte em detrimento do estabelecimento de uma zona de baixa pressão sobre a parte centro-oriental do Brasil e Atlântico Tropical Sul Adjacente.

“Esse é um dado particularmente auspicioso, pois é justamente a existência de uma diferença de pressão entre o Atlântico Tropical Norte e o Atlântico Tropical Sul que possibilitará o deslocamento do eixo da Convergência Intertropical para uma posição ao sul da linha do Equador intensificando as chuvas sobre o setor norte do nordeste”, disse o pesquisador, acrescentando que esse fator é decisivo para a ocorrência de um grande inverno em nossa região no próximo ano.

A expectativa é que a partir do final de fevereiro esse sistema de alta pressão se torne muito ativo atuando mais próximo da costa brasileira intensificando os alísios de sudeste e possibilitando o avanços rápido e frequente das frentes frias para o Nordeste notadamente ao longo de março e abril, que juntamente com janeiro serão os meses mais chuvosos de 2018 em nossa região.

DIÁRIO DO SERTÃO com Gazeta do Alto Piranhas

OUTRO LADO

Secretário de saúde diz que verbas federais serão mantidas e que o SAMU de Cajazeiras não vai fechar

PRECONCEITO

EM CAJAZEIRAS: Gari revela que as pessoas negam água e restaurantes proíbem entrada para comprar marmita

ABANDONADO

VÍDEO: Após saber da morte da mãe, homem passa fome nas ruas de Cajazeiras e faz apelo emocionante para voltar pra casa

PSICOLOGIA NO AR

PERIGO: Médico neurologista faz importante alerta para quem usa remédios tarja preta para dormir