header top bar

section content

Brasil convence e derrota Itália

A seleção fez bonito e venceu a Italia por 2 x 0

Por

11/02/2009 às 00h12

Escalado pelo técnico Dunga com seis jogadores que disputam o Campeonato Italiano e dois que jogam na Liga Inglesa, o Brasil iniciou o ano mostrando um futebol convincente e, sem grandes dificuldades, bateu a Itália, atual campeã mundial, no Emirates Stadium, em Londres: 2 a 0.

Os gols do jogo, ambos belíssimos, foram marcados pelos ex-santistas Elano e Robinho, hoje companheiros de Manchester City, ainda no primeiro tempo do duelo, aos 13 e aos 27 minutos.

O resultado, além de aumentar o moral do técnico Dunga em um momento importante, serviu para desempatar a história dos confrontos entre as equipes. Agora, o Brasil acumula seis vitórias contra cinco dos italianos, sendo registrados ainda dois empates nas 13 partidas jogadas até hoje.

O jogo: O time italiano começou a partida melhor arrumado e com maior posse de bola. E poderia ter aberto o placar logo aos três minutos, quando Grosso recebeu lançamento e tocou por cima de Júlio César, mas viu a arbitragem anular seu gol e marcar impedimento.

Depois do susto, o time de Dunga conseguiu colocar os nervos no lugar e, em linda jogada, levou o Emirates Stadium ao delírio aos 13 minutos. Ronaldinho Gaúcho lançou Elano, que tocou de calcanhar para Robinho, recebeu de volta e, com categoria, tirou do goleiro Buffon: 1 a 0.

O gol fez bem ao Brasil, que passou a mandar na partida diante de um adversário inexplicavelmente assustado. Superior, a equipe ampliou o marcador com um golaço de Robinho, aos 26.

O ex-santista roubou a bola de Pirlo, tirou Zambrotta para dançar e chutou cruzado, sem chances para Buffon: 2 a 0 e tranquilidade total no placar do Emirates Stadium.

Perdendo por 2 a 0, os campeões mundiais passaram a abusar dos cruzamentos para a área, tentando aproveitar a estatura de seus jogadores. Bem postada, a defesa brasileira anulou todas as tentativas sem problemas até o término do primeiro tempo.

Aos gritos de "Brasil, Brasil", o time de Dunga ainda teve a chance de marcar o terceiro gol antes do intervalo, mas o chute forte, com curva, de Elano, passou raspando o travessão do goleiro Buffon, que apenas torceu pela saída da bola.

Insatisfeito com a produção da Azzurra, Marcelo Lippi mandou a Itália de volta para o segundo tempo com quatro alterações, todas do setor de armação para a frente, na tentativa de ao menos assustar a defesa brasileira.

O rendimento da equipe melhorou e o gol de Júlio César passou a ser mais ameaçado, só não sendo vazado graças ao bom desempenho do setor defensivo, sempre bem postado para efetuar o corte no momento certo.

Quando não fez o corte, o Brasil contou com a sorte. Aos 19 minutos, Luca Toni levou com o braço na dividida com Lúcio e mandou para as redes. O árbitro correu para o centro de campo, mas o auxiliar, atento, apontou a irregularidade e manteve o placar nos 2 a 0.

A partida passou a ficar pegada e a Itália, nervosa, abusou das faltas. O Brasil, que mandou a campo Thiago Silva, Daniel Alves, Josué, Júlio Baptista e Alexandre Pato, seguiu tocando a bola com tranquilidade e esperou o apito final para comemorar a manutenção de uma longa invencibilidade contra o rival. A última derrota da seleção para a Itália foi na Copa do Mundo de 1982.

Uol

PROCESSO DE MIGRAÇÃO

Diretor regional na Paraíba tira todas as dúvidas sobre abertura de novas contas dos servidores estaduais no Bradesco

MENSAGEM DE ESPERANÇA

Programa Mensagem de Esperança com Sara Sheyla e Nelson Dantas

A FAVOR DA REFORMA

Empresário diz que Justiça do Trabalho só penalizava os patrões e chama a CLT de ‘excrescência jurídica’

DA REGIÃO DE CAJAZEIRAS

VÍDEO: Do assassinato do pai ao sucesso na política, prefeito conta trajetória de superação no Interview