header top bar

section content

Convocação da Copa América deve confirmar 2ª chance a quem levou 7 a 1

A lista de Dunga deve ter quase a metade daquela escolhida por Luiz Felipe Scolari no ano passado

Por

05/05/2015 às 08h57

Convocação da Copa América deve confirmar 2ª chance a quem levou 7 a 1

Se cumprir o que promete e convocar a seleção sem surpresas, Dunga dará, nesta terça, uma segunda chance àqueles que participaram do maior vexame da história do futebol brasileiro. Na convocação para a Copa América, que ocorre a partir das 11h com acompanhamento do UOL Esporte, o "capitão do tetra" não deve fazer nenhuma revolução em relação ao time que levou 7 a 1 da Alemanha.

Dos 14 jogadores que entraram em campo naquela tarde no Mineirão (11 titulares mais os três substitutos), seis devem entrar na lista de Dunga: David Luiz, Fernandinho, Marcelo, Oscar, Luiz Gustavo e Willian. Além deles, Neymar, Thiago Silva e Jefferson devem estar na relação de 23 nomes que buscarão o título da Copa América no Chile, a partir de junho.

Esses "veteranos" formarão a base da seleção de Dunga, que resgatou selecionáveis esquecidos por Felipão (Miranda, Elias, Filipe Luís e Robinho) e incorporou novidades de seu gosto (Danilo, Marquinhos e Firmino).

Todos esses nomes foram figurinhas carimbadas desde que Dunga reassumiu a seleção. Estiveram na maior parte dos amistosos e foram elogiados pelo comandante, que já avisou que não levará nomes inéditos ao Chile. Se há dúvidas quanto à convocação, elas estão em outras posições, especialmente entre os reservas.

Neste cenário, o número de "veteranos" de 2014 impressiona. A lista de Dunga deve ter quase a metade daquela escolhida por Luiz Felipe Scolari no ano passado. A relação poderia ser ainda maior se Maicon, Hulk e Ramires não tivessem entrado em atrito com a comissão técnica. Depois do 7 a 1, não era absurdo pensar que a carreira das vítimas do massacre estivesse comprometida, ao menos na seleção. Dunga pensa o contrário.

"Cada um sente de uma forma, mas no geral todos têm grande vontade de resgatar e reescrever as histórias na seleção. Os jogadores sabem o compromisso que eles têm. É muito legal estar na seleção brasileira, mas vem um kit junto de cobrança. Todos sentiram muito e ainda sentem. A ferida está aberta ainda, mas a oportunidade é nossa e foi dada pela segunda vez", disse o técnico nos primeiros amistosos dessa sua passagem, contra Colômbia e Equador, nos EUA.

A história de superação e consagração é familiar ao treinador, apontado como símbolo da equipe que fracassou de maneira retumbante na Copa de 1990. Devidamente recuperado por Carlos Alberto Parreira, foi o capitão do tetra em 1994, em uma das maiores reviravoltas da história da seleção.

"O Dunga costuma passar para nós a sua história. Ele sofreu bastante, mas deu a volta por cima. Ele fala que o mesmo pode acontecer o mesmo com a gente e vem dando confiança para todos nós. E está acontecendo isso com a seleção nessas vitórias", disse Oscar antes do amistoso contra a Áustria, em Viena, no ano passado.

"Foi um cara que todo mundo cobrava, a culpa caiu nele em 1990. E em 1994 ele deu o título e levantou a taça como capitão ainda. Ele disse que a gente teria a oportunidade de dar a volta por cima, calar os críticos e deu certo. O futebol te dá a oportunidade de fazer diferente", completou Diego Tardelli, em entrevista ao Esporte Espetacular, da Rede Globo, após fazer dois gols no clássico contra a Argentina. 

Uol

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan