header top bar

section content

Procura-se voluntário que fique deitado 2 meses; Pagamento chega a 16 mil euros, garantem cientistas franceses

Cientistas franceses procuram 24 pessoas dispostas a passar dois meses na cama como parte de um experimento para um estudo sobre microgravidade

Por Campelo - Diário do Sertão em Sousa

05/04/2017 às 14h41 • atualizado em 05/04/2017 às 09h45

Os voluntários submetidos aos testes do Instituto para Medicina Espacial e Fisiologia, da França, não poderão levantar para comer, tomar banho, ir ao banheiro ou realizar qualquer outra tarefa do dia a dia. (Foto: medes.fr/Divulgação)

Você estaria disposto a passar dois meses na cama, fazendo absolutamente nada, e ainda receber dinheiro por isso? Pode parecer um emprego bom demais para ser verdade – porém, cientistas do Instituto para Medicina Espacial e Fisiologia, na França, estão oferecendo 16.000 euros (cerca de 53.200 reais) a 24 homens jovens e saudáveis que estejam dispostos a fazer isso em nome da ciência. O experimento faz parte de um estudo sobre microgravidade, que tenta simular o ambiente vivido pelos astronautas quando estão na Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês).

O objetivo é avaliar os efeitos da quase ausência de gravidade por períodos prolongados no corpo humano e, assim, encontrar uma forma de evitá-los. O coordenador do estudo, Arnaud Beck, disse em entrevista ao jornal francês 20 Minutes que o trabalho é bem mais difícil que parece, uma vez que a pessoa não poderá levantar para comer, tomar banho, ir ao banheiro ou realizar qualquer outra tarefa do dia a dia. Assim como os astronautas quando passam períodos longos no espaço, os voluntários que já passaram por experiências semelhantes apresentam perda muscular nos membros inferiores, diminuição da densidade dos ossos e dificuldade para permanecer em pé.

Durante as duas primeiras semanas, os candidatos – homens de 20 a 45 anos que não fumam, não têm alergias, possuem um índice de massa corporal (IMC) entre 22 e 27 e praticam esportes regularmente – vão ser submetidos a uma bateria de testes antes de passar 60 dias sem sair da cama.

“A regra é manter pelo menos um ombro em contato com a cama”, disse Beck. Os participantes também têm de ficar com a cabeça voltada para baixo a uma inclinação igual ou menor do que seis graus.

Depois desse período, eles vão repetir a bateria de testes durante mais duas semanas, passando também por uma fase de “recuperação” para retornar ao estado normal.

“Em certas condições, o sistema cardiovascular é afetado e não consegue fazer os mesmos esforços como antes do experimento. Observamos uma maior tendência em cair a pressão sanguínea e a pessoa sentir tontura ou fraqueza”, afirma Beck.

Scott Kelly e a missão de um ano

A Nasa iniciou em 2015 um estudo que também tenta investigar os efeitos de uma estadia prolongada no espaço. No caso da agência espacial americana, o astronauta Scott Kelly foi enviado à Estação Espacial Internacional (ISS, na sigla em inglês) para passar um ano em ambiente de microgravidade, enquanto seu irmão gêmeo, o astronauta aposentado Mark, permaneceu no planeta.

Agora que Kelly retornou à Terra, os cientistas estão avaliando quais mudanças ocorreram em seu corpo enquanto ele esteve no espaço, e comparando os resultados com seu irmão. Embora o estudo ainda esteja em curso, alguns efeitos da permanência prolongada na microgravidade observados no astronauta já foram revelados.

Veja

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan