header top bar

section content

Misteriosas linhas em forma de cruzes no deserto continuam a intrigar; “Nunca vi algo assim”

As estruturas foram descobertas em 2007, mas suspeita-se que foram criadas no período neolítico

Por

02/11/2015 às 20h04

Montículos tinham originalmente alturas entre 1,80 m e três metros; eles formam quadrados e cruzes

Vista do solo, a superfície deserta da região de Turgai, no norte do Cazaquistão, parece bastante sem graça. Mas imagens aéreas de satélites da Nasa (agência espacial americana) revelam gigantescas figuras geométricas – que lembram as famosas linhas de Nazca, no Peru, ou os geoglifos no norte do Chile– que só podem ser reconhecidos vistos de cima.

São quadrados, cruzes e outras formações que se estendem por um terreno que equivale a vários campos de futebol. Segundo pesquisadores, as marcas podem ter sido feitas há cerca de 8 mil anos.

No total – entre montículos, valetas e terraplenagens – há pelo menos 260 traços organizados em cinco formas básicas.

A maior das estruturas, localizada próximo a um antigo assentamento do período neolítico, é um quadrado formado por 101 montículos, cujas esquinas opostas são conectadas por uma cruz em diagonal.

A área combinada desta formação é superior à da grande pirâmide de Quéops, no Egito.

Observatórios
Estes desenhos incomuns foram descobertos em 2007 por Dmitryi Dey, economista e amante da arqueologia, com a ajuda do Google Earth.

Desde então, a origem e a função das formações continuam intrigando os pesquisadores.

"Nunca vi algo assim. (As estruturas) são extraordinárias", disse Compton J. Tucker, um dos cientistas da Nasa responsáveis pela divulgação das imagens.

Dey, no entanto, não acredita que os desenhos foram criados para serem vistos de cima.

Para ele, o mais provável é que as figuras criadas pelas linhas pontuadas de montículos fossem "observatórios horizontais para acompanhar o movimento do sol nascente", uma teoria também usada para explicar o propósito de Stonehenge, o famoso monumento de pedra no sul da Inglaterra.

Na pré-história, tribos viajavam para caçar nesta região.

De acordo com Dey, a cultura Mahanzhar, que habitava a região entre os anos 7.000 a.C. e 5.000 a.C., poderia ter criado algumas das formas mais antigas.

A proposta de Dey põe em dúvida as ideias estabelecidas sobre as culturas nômades pré-históricas, já que até agora se acreditava que os grupos caçadores-coletores não permaneciam tempo suficiente em um lugar para criar estruturas com a escala das que foram encontradas no Cazaquistão.

Uma das teorias é a de que os desenhos fossem, na verdade, observatórios para seguir o movimento do sol

Além disso, construir estas estruturas requer um grande número de pessoas e implica "um esforço enorme", explica Giedre Motuzaite Matuzeviciute, arqueóloga da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, que visitou o local no ano passado.

Matuzeviciute também resiste em classificar estas linhas de geoglifos, como as linhas de Nazca, no Peru, já que este nome é usado quando o propósito das formações é artístico, e não quando o objeto tem uma função.

Até o momento, o estudo destas estruturas avança a passos lentos e os pesquisadores esperam que a divulgação das fotos da Nasa ajude a aumentar o interesse pelo tema.

A Nasa, por sua vez, certamente está interessada: incluiu a obtenção de imagens como estas na lista de tarefas dos astronautas que estão atualmente a bordo da Estação

Espacial Internacional, que esta semana celebra o 15º aniversário de sua ocupação contínua por astronautas.

BBC

VÍDEO

Ex-aliado diz que prefeito de Cajazeiras forma “organização criminosa” e aponta gordas gratificações

DIÁRIO ESPORTIVO

Confira o resumo da rodada no programa Diário Esportivo com Luiz Júnior

XEQUE MATE

VÍDEO: Carlos Antonio declara pela 1ª vez publicamente apoio a Júnior Araújo; “é cancela fechada”

NO CALDEIRÃO POLÍTICO NA TV

Advogado fala da profissão, discute política e diz que Luciano Cartaxo é favorito nas eleições de 2018