header top bar

section content

Presidente da OAB Cajazeiras sai em defesa de advogados que foram ‘ofendidos’ pelo chefe da PM; diz que prisão não pode ser prioridade e dispara: “Advogado não é bandido” – Vídeo!

Comandante da PM criticou a Audiência de Custódia criada pelo Conselho de Justiça e chamou advogados de "inescrupulosos"

Por Jocivan Pinheiro

07/07/2016 às 17h54 • atualizado em 07/07/2016 às 18h04

Há cerca de um mês, o comandante da Polícia Militar de Cajazeiras, tenente-coronel Enéas Cunha Rolim, criticou duramente a Audiência de Custódia criada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que dá o direito ao indivíduo que foi preso pela polícia de se apresentar, acompanhado de um advogado, a um juiz para se defender das acusações antes de ser conduzido ao cárcere.

Na ocasião, o comandante da PM disse que em muitos casos os presos estão sendo orientados pelos seus advogados a mentirem diante do juiz, alegando que foram coagidos pelos policiais militares, por meio de tortura física e psicológica, a confessarem o crime. Tenente-coronel Cunha chamou esses advogados de “inescrupulosos”.

VEJA TAMBÉM:

» Comandante da PM de Cajazeiras defende policiais e chama advogados de “inescrupulosos”

A declaração provocou a imediata reação da categoria através da OAB de Cajazeiras, que emitiu uma nota condenando as palavras do comandante. E nesta semana o presidente do órgão, advogado João de Deus Quirino Filho, voltou a lamentar as declarações do policial e defender a Audiência de Custódia e a categoria dos advogados, desta vem com mais veemência, dizendo que advogado não é bandido e que eles continuarão defendendo o direito à liberdade e não priorizando o cárcere.

“Não se pode jamais misturar advogado com bandido. Advogado não é bandido, advogado defende, não vai estar compactuando com o crime. Nós somos um elemento essencial à sociedade”, frisou João de Deus Quirino Filho. “O cárcere no Brasil é exceção, é algo que tem que dificilmente acontecer, e não ser regra”, completou.

O presidente da OAB Cajazeiras disse também que a Audiência de Custódia não incentiva o crime porque não atrapalha as ações de prevenção e repressão das polícias Militar e Civil. A medida é tão somente a garantia de um dos principais direitos que estão na Constituição, a liberdade (enquanto não houver culpa provada), segundo ele.

“Não podemos esquecer o que tem de maior na nossa Constituição, que são nossas garantias fundamentais, os direitos, e dentre eles o direito à liberdade. A Audiência de Custódia está dentro dessa configuração de favorecer a possibilidade do cidadão responder solto enquanto a culpa não estiver formada. E nós, enquanto advogados, vamos velar por essa garantia.”

DIÁRIO DO SERTÃO

ENTREVISTA

VÍDEO: Programa Psicologia no Ar recebe professor doutor de Cajazeiras pra falar sobre Psicologia Social

INTERVIEW

VÍDEO: Autor do filme “Memória Bendita” fala sobre os desafios de promover cultura na região de Sousa

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa: Em Continência ao Senhor Jesus com os membros da Igreja Fonte de Água da Vida

MARIA CALADO NA TV

Maria Calado na TV recebe diretamente do Rio Grande do Norte, Fábio Carvalho; CONFIRA!