header top bar

section content

Mãe do Sertão é detida em rodoviária ao tentar fugir após ser acusada de agredir filha de um ano e oito meses; Criança está em estado grave

A polícia civil informou, preliminarmente, que a mãe teria empurrado a criança com a intenção de lesioná-la.

Por Luzia de Sousa

08/07/2017 às 08h40

Criança está em estado grave (foto divulgação)

Uma mulher, natural de Malta, Sertão da Paraíba foi presa na última sexta-feira (30), no Rio de Janeiro, acusada de matar a própria filha de 1 ano e 8 meses.

Ela foi detida na rodoviária da cidade tentando fugir. Após ser detida, a mulher foi encaminhada para a 167ª Delegacia de Polícia Civil de Paraty, onde prestou depoimento.

De acordo com informações da polícia civil repassadas pelo Conselho Tutelar, a criança deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Paraty, em estado de saúde grave, com suspeita de lesões causadas pela própria mãe. No início da madrugada de sexta, a criança foi transferida para outro hospital de Angra dos Reis em função de complicações no quadro de saúde, onde ela sofreu morte cerebral.

A polícia civil informou, preliminarmente, que a mãe teria empurrado a criança com a intenção de lesioná-la. Com o empurrão, a menina bateu a cabeça e horas depois, entrou em estado de choque, já em risco de morte. Cibele Soares confirmou a versão.

A prisão preventiva da mulher foi decretada pela justiça. O delegado responsável pelo caso, Dr° Uriel Alcântara disse que após a morte encefálica da menina, Cibele foi acusada de lesão corporal seguida de morte. O delegado garantiu que nenhum outro familiar é suspeito de participação no crime.

Patos Verdade

VÍDEO!

Diário esportivo fala sobre os craques da Copa do Mundo e o futebol amador da cidade de Cajazeiras

EMPODERAMENTO

VÍDEO: Equipe Bike Girls de Cajazeiras promove neste final de semana pedal dedicado às mulheres

OUTRO LADO

Secretário de saúde diz que verbas federais serão mantidas e que o SAMU de Cajazeiras não vai fechar

PRECONCEITO

EM CAJAZEIRAS: Gari revela que as pessoas negam água e restaurantes proíbem entrada para comprar marmita