header top bar

section content

Saudade: Cajazeirense, prefeito de importante cidade do estado do Maranhão visita Terra do Padre Rolim

Ele já foi escolhido pela revista Associação Nacional dos Prefeitos e Vices do Brasil (ANPV), entre os 100 melhores prefeitos do país. Confira aqui!

Por

19/01/2016 às 14h35

Cajazeirense é prefeito de cidade do MA

O prefeito da cidade de Codó, estado do Maranhão é um cajazeirense radicado há muito tempo em terras maranhenses. Zito Rolim, esteve em Cajazeiras este final de semana para visitar parentes e tirar alguns dias de férias.

Zito falou com à imprensa cajazeirense a respeito da política do Maranhão e do cenário nacional. Ele é um dos filhos mais ilustres da terra do padre Rolim.

Ele já foi escolhido pela revista Associação Nacional dos Prefeitos e Vices do Brasil (ANPV), entre os 100 melhores prefeitos do país.

VEJA TAMBÉM

► Cajazeirense que mora no Maranhão é escolhido entre os 100 melhores prefeitos do Brasil

Breve histórico
Zito Rolim nasceu na cidade de Cajazeiras, na Paraíba, filho primogênito do casal de lavradores José Rolim e Maria Nilce Gonçalves Rolim, nasceu em 8 de outubro de 1956. Cresceu em meio às adversidades oferecidas pelas terras secas do sertão paraibano.

No ano de 1972, veio para Codó, com o objetivo de trabalhar com o seu tio Raimundo Rolim. Em 1975, iniciou sua vida empresarial, tendo como atividade principal o comércio atacadista de cereais.

Com o sucesso alcançado na sua atividade comercial, em 1988, ampliou sua área de atuação comercial, implantando a atividade agropecuária, e a partir de 1995 adentrou ao ramo de móveis e eletrodomésticos.

Casou-se em 1976 com a codoense Eliene Araújo Torres, filha do comerciante José Alves Torres e Maria Luiza Araújo Silva, de cuja união nasceram três filhos: Wellington Torres Rolim (odontólogo), Rômulo Torres Rolim (odontólogo) e Cinthya Torres Rolim (farmacêutica bioquímica).

Envolvimento com trabalho escravo
Em fiscalizações realizadas em sua fazenda São Raimundo/São José, o Ministério Público do Trabalho (MPT) e de agentes da Polícia Federal (PF) entre os dias 7 e 17 de dezembro encontraram encontraram 24 pessoas em condições análogas à escravidão. Entre as vítimas, havia duas mulheres responsáveis pelo preparo das refeições. Uma delas estava acompanhada de duas filhas com idades entre 5 e 6 anos e do filho de 13 anos, que tinha a função de levar a alimentação até a frente de trabalho, que ficava a 3 km de distância dos barracos utilizados como alojamento.

Os empregados eram responsáveis pelo “roço de juquira” – limpeza da área para formação de pasto para pecuária extensiva. Segundo a fiscalização, eles tinham dívidas com o “gato” e recebiam por produção, de R$ 10 a R$ 12 por dia. Os salários pagos eram inferiores ao salário mínimo nacional. A água consumida pelos trabalhadores vinha desse açude e não recebia nenhum tratamento ou processo de filtração [1] .

Política
Ingressou na política em 2000, lançando o seu nome a julgamento popular como candidato a prefeito, entretanto não foi eleito. Nas eleições de 2004, candidatou-se novamente a prefeito, pelo Partido Verde (PV), obtendo 21.492 sufrágios, sem êxito.

Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Codó, ocupante da cadeira n° 16, que tem como patrono René de Matos Bayma, é uma grande liderança política de Codó.

Zito disputava as eleições para a prefeitura codoense desde 2000, sendo que só conseguiu ser eleito prefeito de Codó em 2008, com 49% dos votos válidos, contra 46% do adversário e ex-prefeito, Biné Figueiredo, do PDT. Em 2012, foi reeleito para o cargo.

DIÁRIO DO SERTÃO 
Com Alex Gonçalves

CACHOEIRA DOS ÍNDIOS

VÍDEO: Ex-prefeito rompe o silêncio, fala de derrota e lamenta promessa não cumprida de atual gestor

ENTREVISTA

VÍDEO: Do vício em jogo à fama, ‘Rei das Tapiocas’ de Cajazeiras conta trajetória no programa Xeque-Mate

MARIA CALADO NA TV

Programa Maria calado na TV recebe os Quentes da Pegada da cidade de São João do Rio do Peixe

EM CONTINÊNCIA AO SENHOR JESUS

Programa Em Continência ao Senhor Jesus com a participação do Sargento Souza e Marcos Alan